Eleições

Editorial | Lula é candidato e líder nas pesquisas

O Brasil de Fato se coloca na defesa da candidatura de Lula, condenado sem provas, em sentença questionável do TRF-4

Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG)

,
Há chance de conflitos caso o Judiciário decida manter Lula incomunicável, sem participar de debates ou mesmo concorrer à presidência / Charge: Latuff

No dia 15 finalizaram os registros dos nomes que concorrem à presidência nas eleições mais indefinidas desde 1989. São, ao todo, 13 candidaturas. 

Da base de apoio do governo Temer - e representando o projeto que vem retirando direitos e vendendo as riquezas do país desde a saída de Dilma Rousseff - são vários os candidatos. O principal deles é Geraldo Alckmin (PSDB). Também estão na base de apoio de Temer e apoiaram o congelamento dos investimentos com políticas sociais, a reforma trabalhista e da Previdência, a terceirização e as privatizações, Henrique Meirelles (MDB), Álvaro Dias (Podemos), Daciolo (Patriota) e Bolsonaro (PSL). 

Do outro lado, o principal candidato da esquerda é o ex-presidente Lula. Mesmo preso em Curitiba, o candidato do PT é líder nas pesquisas e segue o centro das atenções da política nacional.

O poder Judiciário, mais uma vez, seguirá nos holofotes até 7 de outubro, data do primeiro turno das eleições. Isso por que o Supremo Tribunal Federal (STF) decide se pauta ou não a Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) que pode definir que o início da execução da pena após a condenação em segunda instância é inconstitucional. Nesse caso, Lula seria solto na sequência. 

A postura do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) também merecerá atenção. É provável que tentem impugnar a candidatura de Lula com base na Lei da Ficha Limpa. A pressão dos meios de comunicação empresariais, com a Rede Globo à frente, é grande. Mesmo se o fizer, caberá recurso da defesa. 

As regras vão mudar apenas para Lula?

Em meio a isso, o apoio massivo de movimentos populares é para que Lula tenha direito a concorrer, uma vez que não há apresentação de provas contra ele e os recursos da defesa não foram encerrados. 

Há chance de conflitos caso o Judiciário decida manter Lula incomunicável, sem participar de debates ou mesmo concorrer à presidência. Afinal, em 145 casos anteriores, candidatos concorreram as eleições em situação similar. As regras agora vão mudar apenas para Lula? 

O Brasil de Fato se coloca na defesa da candidatura de Lula, condenado sem provas, em sentença questionável do TRF-4. Tornar pública nossa posição é uma forma de franqueza com o leitor, o que não significa abrir mão em nossas páginas da pluralidade de ideias, da análise e da fidelidade aos fatos. Entendemos que Lula é um preso político, cuja prisão tem a finalidade de impedir sua vitória eleitoral. 

Lula candidato é a oportunidade para barrar a retirada de direitos e o golpe em curso. É a oportunidade de retomarmos a democracia no Brasil.

Edição: Joana Tavares