Gesto de luto

Artistas retiram trabalhos do Memorial Minas Vale como protesto em BH

Em nota, grupo que participava de exposição critica poder de empresas, como a mineradora, inclusive sobre a cultura

Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG)

,
O Memorial Minas Vale, um dos prédios públicos mais importantes da capital mineira, tem a Vale como principal patrocinadora / Foto: Divulgação/Vale

Artistas mineiros que participavam de exposição no Memorial Minas Vale, em Belo Horizonte, optaram por retirar os trabalhos da instituição após o crime da empresa em Brumadinho. Em carta publicada nesta quarta-feira (30), o grupo afirmou que a ação acontece em solidariedade a todas as vítimas do rompimento da Barragem do Feijão, na sexta (25), e em repúdio à mineradora.

O Memorial Minas Vale, um dos prédios públicos mais importantes da capital mineira, está localizado na Praça da Liberdade e, por meio de Parceria Público-Privada (PPP), tem a Vale como principal patrocinadora. Tal modelo de gestão cultural também foi criticado pelos artistas. "Esse tipo de fomento institucional de artes visuais é dominante em nosso país […], o que permite que empresas ocupem espaços que deveriam ser de uso amplo e democrático", escreveram na nota.

Eles afirmam, ainda, que a retirada das obras é realizada porque a empresa falha em "compromissos elementares" com a sociedade, como a "garantia de segurança" para o meio ambiente, seus trabalhadores e população.

“A tragédia é irrepresentável”

Em entrevista ao Brasil de Fato MG, o grupo de artistas manifestou o desejo de questionar a forma como a mineração está no dia-a-dia do povo brasileiro. "As empresas não estão presentes só na mina, no interior. A Vale tem o maior museu de BH. É uma indignação notar que uma empresa como essa consegue se apropriar de tantos mecanismos de cultura e iniciativas sem conflito algum", responderam os integrantes.

Sobre encenar de alguma forma a tragédia, os artistas afirmam que “é irrepresentável, não tem o que consiga dar conta. Portanto, optamos pela recusa e pelo silêncio como gesto de luto, não só como artistas, mas como cidadãos".

Leia a nota completa:

Nós, artistas participantes da mostra retrospectiva que está sendo realizada no museu Memorial de Minas Vale, em repúdio à empresa patrocinadora responsável pelo crime ambiental em Brumadinho e em solidariedade a todas as vítimas dessa atrocidade, comunicamos a retirada coletiva das obras em exposição no Memorial Minas Gerais Vale, localizado na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte e da posterior itinerância da mostra em outros espaços culturais mantidos pela Vale no Brasil.

Instalado na antiga sede da Secretaria da Fazenda de Minas Gerais, o edifício público localizado na Praça da Liberdade em Belo Horizonte é ocupado desde 2010 pela Fundação Vale, braço social da empresa. Esse tipo de fomento institucional de artes visuais é dominante em nosso país, que por meio de parcerias público-privadas, permite que empresas ocupem espaços que deveriam ser de uso amplo e democrático, para

mecanismos de publicidade exagerados, utilizando parâmetros abusivos de divulgação de práticas culturais.

A mostra traz os artistas contemplados no edital de exposições do Memorial de Minas Vale, que existe desde 2013. Ao longo dos últimos três anos, vimos que as ações de reparação e sanções do Estado falharam com relação a Bento Rodrigues. Com Brumadinho, acreditamos que não será diferente.

Deste modo, optamos por desvincular completamente nossos trabalhos e nossas pesquisas de um espaço mantido por uma empresa que falha em firmar seus compromissos elementares com a sociedade, como a garantia a segurança de suas operações para o meio ambiente, de seus próprios trabalhadores e da população que convive em proximidade com suas operações.

Entendemos que este gesto não possui efeitos de contribuição para a redução do sofrimento dos atingidos nem para a reparação dos danos causados por esse crime. Mas acreditamos que, neste momento, todas as ações, mesmo que simbólicas, devem ser lançadas para confrontar as narrativas que escondem a real atuação de empresas de mineração como a Vale S.A.

Dizemos não:

à contaminação sem precedentes de rios e mares no curso da lama

ao pó de minério que se acumula sobre casas, ruas e pulmões

à̀ apropriação e ao uso indiscriminado das águas potáveis nas regiões onde estão instaladas as mineradoras

ao vazio de apoios, indenizações e esclarecimentos aos atingidos pelos crimes anteriores

à negligência chocante quanto às medidas preventivas, e protetivas, que poderiam impedir a ocorrência deste terrível crime humano e ambiental

à esquiva da responsabilidade do maior ecocídio já ocorrido em território brasileiro

à forma como são edificadas as políticas culturais de patrocínio que privilegiam a publicidade de empresas privadas em detrimento de políticas públicas de qualidade

ao cinismo programático admitido no mecenato, que utilizam obras e ações artísticas para maquiar atividades corporativas que desrespeitam os direitos básicos dos trabalhadores

à lavagem de dinheiro e à corrupção expressa deliberadamente na relação entre gestores institucionais e a iniciativa privada

à ocupação de prédios públicos por empresas que não respeitam a vida nem o meio ambiente, tampouco contribuem para uma formação diversa de público e sociedade.

Destinado a manter as tradições artísticas e culturais do povo de Minas Gerais, o memorial deveria, a partir de agora, abrigar testemunhos da desertificação de sua paisagem, os vestígios da barbara ação contra as comunidades e priorizar a preservação da memória daqueles que foram afetados pelo soterramento de princípios básicos humanos, os mesmos expostos nas diretrizes prioritárias da Fundação Vale como "a vida em primeiro lugar" e o "cuidado com o planeta".

É necessário esclarecer que iniciativas como o Edital Para Jovens Artistas e outras ações artísticas promovidas no espaço do Memorial Minas Gerais, a Vale S.A., são apenas obrigações da empresa com a sociedade por meio de sua fundação, utilizando o dinheiro de renúncia fiscal para o enriquecimento do fluxo cultural da cidade. Tais recursos são implementos de ações de responsabilidade do Estado, que poderia operar as mesmas verbas sem a utilidade de parcerias com a iniciativa privada.

Gostaríamos de agradecer a toda a equipe de arte, educação e segurança envolvida na realização desta exposição, trabalhadores de tamanha competência, disposição e generosidade, que cuidadosamente dividiram conosco a montagem, produção e divulgação das obras.

Belo Horizonte, 29 de janeiro de 2019 Assinam:

Adriel Martins Visoto

Camila Otto

Carolina Cordeiro

Cleverson Salvaro

Daniella Domingues

Efe Godoy

Estandelau

Gilson Rodrigues

Luísa Horta

Luiza Nobel

Luiz Lemos

Marina RB

Renata Laguardia

Ricardo Burgarelli

Victor Galvão

Walter Gam

Xikão Xikão

Edição: Joana Tavares