Gravações

Calheiros disse que negociaria com STF pela “transição” de Dilma

A conversa gravada pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, também cita a Globo, Folha, PSDB e Aécio Neves

Brasil de Fato

,
Em áudio, Renan afirma que senador Aécio Neves (PSDB) "está com medo" das delações / Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse em conversa gravada pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que iria “negociar” com o Supremo Tribunal Federal o processo de “transição” da presidenta  Dilma Rousseff (PT).

Machado e Renan são alvos de investigação na Operação Lava Jato. O primeiro também gravou o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que havia sido empossado ministro do Planejamento no governo Michel Temer, mas com a divulgação da conversa deixou o cargo.

Em outro ponto, o presidente do senado cita uma conversa com a presidenta Dilma Rousseff, mencionando uma suposta reunião entre ela e o ministro Ricardo Lewadowski, presidente do Supremo, sobre a qual a petista teria reclamado da indisposição do Judiciário para o diálogo.

"'Renan, eu recebi aqui o Lewandowski, querendo conversar um pouco sobre uma saída para o Brasil, sobre as dificuldades, sobre a necessidade de conter o Supremo como guardião da Constituição. O Lewandowski só veio falar de aumento, isso é uma coisa inacreditável'", citou Calheiros em referência à conversa com a presidenta.

Ao longo da conversa, o senador falou sobre contatos que teve com membros da Folha de São Paulo e da Rede Globo. Segundo o diálogo "Otavinho [Otávio Frias Filho, diretor de redação da Folha] reconheceu que tem exageros [na cobertura]" e João Roberto Marinho, presidente da Globo, disse que não podia "influir" na cobertura.

Delações

Renan, sem saber que era gravado, sugeriu que as delações não poderiam acontecer enquanto o delator está preso, o que, como ele cita, “é tortura”.

Questionado por Machado se há possibilidade do ex-senador Delcídio do Amaral (MS) citar o presidente da Casa, ele respondeu, “Deus me livre, Delcídio é o mais perigoso do mundo. O acordo [inaudível] era para ele gravar a gente, eu acho, fazer aquele negócio que o J Hawilla fez”, disse Renan.

PSDB

Durante a conversa, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi citado: “Aécio está com medo”, disse Renan, afirmando que o tucano pediu para que ele visse "esse negócio do Delcídio, se tem mais alguma coisa", disse Renan, fazendo referência a uma conversa com o ex-governador de Minas sobre a delação do petista.

Machado completou a frase citando o partido, "Renan, eu fui do PSDB dez anos, Renan. Não sobra ninguém, Renan".