Circo da Democracia

Crônicas do Circo da Democracia - Saramago aplaudiria!

O circo aproxima. Reaproxima. É lugar de encontros nesse mundo de tantos desencontros.

Curitiba (PR)

,
O picadeiro é o todo, onde música, poesia, debates políticos, políticas culturais entram em cena, sem muros acadêmicos / Leandro Taques

O circo aproxima. Reaproxima. É lugar de encontros nesse mundo de tantos desencontros. A arte e a política, por exemplo, uma pensava que a outra andava sumida.

Desde os anos 90, no vazio deixado pelo neoliberalismo, pela queda do Muro e construção de vários outros, a maioria dos artistas voltaram-se para a arte em si mesma, para o próprio umbigo.

A esquerda, por sua vez, enrijeceu, acuada nos tempos de baixa das lutas. Perdeu o vínculo com o povo e também com a arte nas suas várias formas.

O que a gente tem visto no Circo é diferente. O picadeiro é o todo, onde música, poesia, debates políticos, políticas culturais entram em cena, sem muros acadêmicos.

O debate de sábado (6), com artistas e fazedores da cultura, mostrou esses novos horizontes. Chamou a atenção a fala de Juliana Bonassa, do setor nacional de cultura do MST: “Queremos fazer arte com qualidade técnica e fundamentação política”.

O escritor português José Saramago aplaudiria em pé. Ele que sempre se colocou como intelectual engajado e, ao mesmo tempo, produzia uma arte extremamente elaborada.

E o Circo vai mostrando caminhos.

*Pedro Carrano, do jornal Brasil de Fato e da Frente Brasil Popular.