Sociedade

ONG elabora Mapa das Desigualdades no Distrito Federal

A ferramenta possibilitará a comparação de políticas públicas em diferentes cidades do território

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Comunidade que vive com estrutura precária na Santa Luzia, Cidade Estrutural, no Distrito Federal / Movimento Nossa Brasília

O Movimento Nossa Brasília, em parceria com o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) e a organização não governamental Oxfam Brasil, está elaborando o Mapa das Desigualdades, uma ferramenta para medir a desigualdade nos territórios do Distrito Federal e servir como uma fonte popular para explicitar a disparidade entre as regiões. O mapa será lançado no final de novembro em um evento que discutirá o direito à cidade.

Segundo o movimento, o Distrito Federal é o território mais desigual do Brasil e não possui nenhum indicador regionalizado que demonstre a disparidade social entre as regiões administrativas.

A ferramenta possibilitará a comparação de políticas públicas em saúde, educação e outros direitos, mostrando a forma como são distribuídas pelas cidades do Distrito Federal. "Nós sabemos que as cidades não são iguais, existem várias cidades dentro das cidades", explica Cleo Manhas, integrante do Nossa Brasília e uma das idealizadoras da proposta, no site da organização.

Metodologia

As primeiras regiões administrativas que serão analisadas no levantamento são as regiões de Samambaia, São Sebastião e Estrutural. A metodologia do levantamento tem base em conversas com movimentos e parceiros locais, visando a reafirmação do protagonismo da sociedade civil na validação de informações sobre a região onde vivem. Neste sábado (22), o processo se iniciará com atividades em Samambaia.

A experiência replica uma metodologia desenvolvida pelo Movimento Rede Nossa São Paulo, que tem como destaque esse diálogo com a comunidade local, estabelecendo indicadores prioritários regionais.

Após o levantamento nas três cidades selecionadas, a equipe do projeto sistematizará as informações coletadas, comparando-as com os dados disponíveis sobre o Plano Piloto, considerada uma das regiões com maior índice de desenvolvimento do país.

Com o resultado, que ficará disponível para acesso e uso público no site do movimento, a população poderá ter maior clareza das necessidades de seu território e da forma como os recursos públicos vêm sendo destinados na gestão das cidades. Desta forma, “os indicadores contribuem para que as políticas públicas sejam melhor planejadas e melhor aplicadas”, conclui Cleo Manhas.

Edição: Camila Rodrigues da Silva