LITERATURA

Flup Pensa ajuda a formar escritores da periferia no Museu do Samba, na Mangueira

Poeta mineiro Ricardo Aleixo é o convidado do encontro, aberto ao público, que acontece no sábado (10)

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,
A Flup Pensa é um ciclo de debates que tem como objetivo ajudar a formar e lançar novos escritores das periferias cariocas / Divulgação

O próximo encontro do ciclo de formação de escritores da Festa Literária das Periferias (Flup Pensa) vai acontecer no sábado, dia 10. O convidado da vez será Ricardo Aleixo, poeta nascido na periferia de Belo Horizonte, conhecido por sua poesia falada. O encontro começa às 16h, no Museu do Samba, na Mangueira, zona norte do Rio. O evento é gratuito e o local foi pensado para facilitar o acesso das pessoas que moram na baixada, nas favelas e nas periferias da cidade.

A Flup Pensa é um ciclo de debates que tem como objetivo ajudar a formar e lançar novos escritores das periferias cariocas. Depois dos debates, que acontecem até 24 de junho, serão selecionados autores para fazer parte da coletânea “Seis Temas à Procura de um Poema”. A publicação será lançada na Flup, que vai acontecer em novembro, no Vidigal.

“Fazemos essa formação porque a gente acredita que a nova produção da favela não pode ser igual ao resto da literatura brasileira, que é restrita a uma elite masculina e branca, que só trata dos assuntos deles”, explica o escritor Julio Ludemir, organizador da Flup.

Mais de 150 escritores já foram revelados e 14 livros lançados pela Flup Pensa desde que começou, há seis anos. Entre eles, Raquel Oliveira, autora de “A número 1”, livro que conta história de um amor bandido e que vai virar filme. Raquel foi chefe do tráfico na Rocinha, nos anos 1980.

“A literatura não pode excluir. Esse espaço que criamos com a Flup Pensa é muito importante porque faz com que os escritores saiam da solidão. Uma coisa é quando se começa a produzir sozinho, outra é quando começa numa turma”, conclui Julio.

Serviço:

Flup Pensa

Todos os sábados, até 24 de junho, às 16h.

Museu do Samba - Rua Visconde de Niterói, 1296, na Mangueira

Inscrições na hora.

Edição: Vivian Virissimo