Coluna

Temer foi ainda mais subserviente para com o vice norte-americano

Imagem de perfil do Colunista
O golpista de 2016 foi cobrado por Pence para ser mais duro contra o governo eleito da Venezuela / Alan Santos/PR
O ocupante do Palácio do Planalto envergonhou ainda ainda o povo brasileiro

Ao receber em Brasília o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, mais do que se previa, o ocupante do Palácio do Planalto, Michel Temer, envergonhou ainda ainda o povo brasileiro. Além de se comportar de forma subserviente, o golpista de 2016 foi cobrado por Pence para ser mais duro contra o governo eleito da Venezuela.

Pence ofereceu dinheiro para que o Brasil recebesse maior número de venezuelanos, ao mesmo tempo em que nos EUA o presidente Trump decreta impedimento à entrada de imigrantes, desde oriundos de países de religião muçulmana até venezuelanos.

Aí apareceu posteriormente outro sabujo, o Ministro do Exterior, Aluysio Nunes Ferreira, para dizer que o tema Venezuela seja analisado na Organização dos Estados Americanos (OEA), onde o Secretário geral Luis Almagro se encarregará de fazer, como sempre faz, o jogo desejado pelo Departamento de Estado estadunidense.

Como se não bastasse o que foi mencionado, Temer ainda ofereceu um avião do Brasil para trazer de volta as crianças brasileiras atingidas pela medida adotada pelo presidente Donald Trump. Quer dizer, o governo brasileiro quer acertar o que Trump fez de semelhante aos nazistas na II Guerra Mundial.

Temer agiu de forma a ajudar Trump a sair da enrascada que se meteu. No caso da Venezuela, sempre com o apoio da mídia comercial, Temer se propõe a ficar do lado dos Estados Unidos na tentativa espúria de recuperar o controle do petróleo para o país. Que vergonha!

O fato confirma que o governo golpista brasileiro apenas faz o jogo exigido por Trump e não tem condições de defender o país, já que sua ascensão se deve em grande parte ao apoio do Departamento de Estado estadunidense. 

Pence simplesmente exigiu que Temer se portasse e o golpista, que ocupa o governo do Brasil, simplesmente aceitou passivamente o jogo da subserviência, por temor que se realmente defendesse o Brasil poderia não só ser chamado a atenção como sofrer conseqüências mais graves, inclusive a sua substituição por alguém da mesma linha, mas sem condições de não aceitar imposições. 

É por aí que se pode melhor entender o procedimento servil de Temer e de seus colaboradores, que fizeram de tudo e muito mais para agradar o segundo chefe maior, porque o primeiro é  ocupante da Casa Branca.

Mike Pence deve apresentar relatório para Trump e afirmar que o governo brasileiro  é um aliado incondicional para qualquer tipo de decisão a ser adotada contra a Venezuela. Não é à toa que o Departamento de Estado estadunidense está procurando também influir nas próximas eleições presidenciais, porque não quer correr risco do Brasil eleger alguém que não aceite o jogo da subserviência como Michel Temer.

Enquanto isso….

No Rio de Janeiro a polícia agiu de forma violenta contra professores e professoras que denunciavam o desconto dos aposentados. Os vereadores aprovaram o que o prefeito Marcelo Crivella exigia, mas, para tanto, tiveram que pedir o reforço da polícia que mais uma vez feriu servidores municipais vítimas da política colocada em prática pela prefeitura. Como Temer, Crivella é também vergonha para os cariocas.

Edição: Jaqueline Deister