Violência

Enquanto torturam suspeito de roubo, policiais gritam: “Sustenta, tu não é ladrão?”

No Piauí, dois agentes agridem homem para que confesse crime; PM decreta a prisão dos agressores

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Para tenente-coronel da reserva, não há dúvida sobre episódio: trata-se de tortura e pode gerar expulsão da corporação / Reprodução

Para que um suspeito de roubar uma motocicleta confessasse o crime, dois policiais militares o torturaram no 12º Batalhão em Piripiri (PI), a 163 quilômetros da capital Teresina. As agressões ocorreram na última terça-feira (9), foram gravadas com um celular e vazaram na internet.

A Polícia Militar do estado informou que determinou a prisão administrativa dos agentes, que devem se apresentar à Corregedoria da Polícia Civil.

Nas imagens, Edicarlos Alves da Silva aparece algemado e sentado em uma cadeira. Os dois policiais militares aproveitam que o suspeito está imobilizado e o torturam com tapas na cara e socos. As agressões tinham a finalidade de forçar o suspeito a confessar o roubo da motocicleta.

Diante das queixas da vítima, os policiais afirmam: “Sustenta, tu não é ladrão? Ladrão quando é pego pela polícia é assim. Quando o ladrão pega um cidadão não faz pior?”. Enquanto agridem, os dois agentes sorriem e zombam de Alves da Silva

O tenente-coronel da reserva da PM e mestre em Direitos Humanos pela Universidade de São Paulo (USP), Adilson Paes de Souza, condenou a postura dos agentes. “As imagens não deixam dúvidas de que se tratou não só de uma conduta de abuso de autoridade, esse cenário é de tortura. O jovem foi submetido a uma sessão de tortura. Inclusive, um dos golpes que é aplicado nele, aquele tapa simultâneo nos dois ouvidos, que chama “telefone”, quera muito aplicado na ditadura nas sessões de tortura de presos políticos”.

Para Souza, as imagens são indícios suficientes para um processo administrativo que culmine na expulsão dos policiais. 12-04-19-ADILSON-IGOR[1]“Se ele estava numa delegacia de polícia, o delegado é conivente e co-autor dessa tortura. Os policiais, bem como o delegado, deveriam ser presos por flagrante e ali permanecer até o julgamento”, encerrou.

Confira a nota da Polícia Militar do Piauí:

"A Diretoria de Comunicação Social da Polícia Militar do Piauí informa que o Comandante Geral ao tomar conhecimento do vídeo determinou ao Comandante do 12 Batalhão em Piripiri, que apresentem os Policiais Militares na Corregedoria, Instauração do Inquérito Policial Militar, bem como decretou a prisão administrativa dos Policiais envolvidos no fato.

Teresina, 11 de abril de 2019".

Edição: Daniel Giovanaz