Crime de ódio

Polícia Civil pede prisão de suspeito de atear fogo em morador de rua em SP

Homem identificado também seria morador de rua e principal linha de investigação é de que crime foi intencional

Ouça o áudio:

Homem de 39 anos foi atingido pelas chamas em frente ao supermercado Dia, na Mooca, zona leste de SP / Foto: Jeniffer Mendonça/Ponte Jornalismo

O suspeito de atear fogo no morador em situação de rua Carlos Roberto Vieira da Silva, 39 anos, foi identificado nessa terça-feira (7) e a Polícia Civil pediu a prisão temporária (30 dias). Ele também seria morador de rua da mesma região e depois do crime teria desaparecido. O caso aconteceu na rua Celso Azevedo de Marques, em frente ao supermercado Dia, na Mooca, zona leste de São Paulo, no início da madrugada de domingo (5).

A identificação foi feita a partir de imagens de câmeras e depoimentos de testemunhas. A principal linha de investigação é de que se trata de um homicídio doloso, ou seja, de que houve intenção. A Ponte Jornalismo apurou, contudo, que a hipótese de dolo eventual tem sido trabalhada, ou seja, de que a pessoa produziu o resultado morte sem que tivesse isso como objetivo.

Carlos vivia na região da Mooca e, segundo testemunhas, tinha a marquise do supermercado como ponto preferencial de descanso. Foto: Reprodução

Imagens de câmeras de segurança da rua mostram quando o suspeito se aproxima da vítima e lança algo em uma pequena chama que explode ao lado de onde Carlos dormia. Depois da explosão, sai correndo.

O corpo de Carlos foi transladado nessa terça-feira (7) para Aracaju.

A equipe responsável do 18° DP (Alto da Mooca) não quis gravar entrevista e afirmou que aguarda as diligências que tentam localizar o suspeito.

 

Edição: Ponte Jornalismo