América Latina

Governo da Colômbia e Farc assinam novo acordo de paz nesta quinta (24)

Em reunião chefiada pelo presidente, as FARC afirmaram que há um genocídio em curso contra líderes sociais e camponeses

Página 12

,
Presidente colombiano, Juan Manuel Santos (foto), quer implementar novo acordo o mais rápido possível / Ministerio TIC Colombia

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, condenou nesta terça (22) o assassinato de vários líderes comunitários e defensores dos direitos humanos do país nos últimos dias. Por conta deste contexto, ele anunciou que, nesta quinta-feira (24), o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) vão assinar um novo acordo de paz em Bogotá, que deve ser aprovado no Congresso.

Santos reforçou a necessidade de implementar o acordo rapidamente para evitar uma escalada de violência. "Estes eventos são uma evidência palpável e dramática dos riscos que a incerteza traz sobre a implementação dos acordos de paz", disse ele no palácio presidencial. Ele dirigiu uma reunião da Comissão de Alto Nível para a Proteção dos Direitos do Homem para enfrentar os ataques que ocorreram no país, especialmente contra membros do movimento político Marcha Patriótica.

Participaram da reunião o ministro da Defesa Luis Carlos Villegas; o Procurador Geral Nestor Humberto Martinez; o diretor do escritório na Colômbia do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Todd Howland; e oficiais superiores das Forças Armadas. O ministro do Interior, Juan Fernando Cristo disse que os ataques armados demonstram que há uma ameaça para o processo de paz regional.

No dia anterior, em uma cerimônia em que recebeu o título de doutor em Humanidades pela Universidade Central de Bogotá, Santos disse que é hora de todos os colombianos ajudar para a concreção do acordo de paz. "Como todos nós contribuir no novo acordo, é hora de todos, em conjunto, contribuir para a sua implementação e a construção da paz que temos sonhado", afirmou.

Avanço da violência

Na segunda (21), as FARC denunciaram que, até o momento neste ano, 200 pessoas foram assassinadas impunemente e, depois do "No", iniciou-se um novo genocídio contra líderes sociais e camponeses.

Em uma carta, os guerrilheiros listaram vários casos nesta semana, incluindo três mortes e dois ataques. De acordo com as FARC, nos últimos dias Erley Monroy foi encontrado ferido perto de um batalhão em San Vicente del Caguín, no departamento de Caquetá (sul do país), e depois morreu em um hospital; e Didier Losada foi morto em sua casa por uma pessoa encapuzada, no município de La Macarena, departamento de Meta (centro).

As FARC também relataram a morte de Rodrigo Cabrera, irmão do líder das vítimas de Policarpa, no departamento de Nariño (sudoeste), e os ataques contra três pessoas em diferentes partes do país.

O grupo guerrilheiro pediu ao governo que evite uma repetição do que aconteceu com a União Patriótica (UP), um partido de esquerda que surgiu no contexto do processo de paz entre a guerrilha e o governo do presidente Belisario Betancur (1982-1986). Na época, mais de cinco mil membros da UP foram assassinados por grupos paramilitares.



Santos advertiu nesta terça que seu governo não permitirá que grupos violentos comprometam o processo de paz com as FARC.

"Quero, em primeiro lugar, reiterar a minha convicção e minha rejeição e de todo o governo a atos de violência, ataques e assassinatos de líderes comunitários e defensores dos direitos humanos que têm ocorrido nos últimos dias", disse Santos. "Nós não será isso muito claro, para permitir os violentos comprometer os progressos e as esperanças de paz", acrescentou o presidente.

Também na segunda (21), os negociadores do governo reuniram-se também na segunda-feira em Bogotá com os líderes do "Não", liderados pelo ex-presidente Alvaro Uribe.

O "No"

O governo nacional e as FARC assinaram em 26 de setembro, em Cartagena, um primeiro acordo de paz depois de quase quatro anos de negociações em Havana, capital de Cuba. No entanto, o texto final foi rejeitado pelos colombianos no plebiscito realizado em 2 de outubro, forçando a reabertura das negociações para incorporar as propostas dos promotores do "Não" na consulta.

Em 12 de novembro, um novo acordo foi alcançado e, agora, o Congresso precisa rubricá-lo para que ele possa ser aplicado na íntegra o mais rapidamente possível.

O chefe da delegação da paz do governo colombiano, Humberto de la Calle, pediu a união dos colombianos em torno do recente acordo. "É hora de seguir em frente. É hora de nos unirmos em torno deste novo acordo, esse acordo melhorado e ajustado, para implementá-lo. [Devemos] proteger o que foi alcançado e avançar para a consolidação do final do conflito e da construção da paz ", disse De la Calle.

Tradução: Pilar Troya