MST

Feira Nacional da Reforma Agrária é espaço de diálogo com a sociedade

No ato de abertura, lideranças do MST destacaram a troca de informações que ocorre durante a feira

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Ato de abertura da feira reuniu políticos e líderes do MST / Rafael Stédile

“Arroz deu cacho e o feijão floriô, milho na palha, coração cheio de amor. Erguendo a fala, gritando reforma agrária, porque a luta não para quando se conquista o chão”. Os versos que iniciaram o ato de abertura da III Feira Nacional da Reforma Agrária, organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), na tarde desta quinta-feira (3), ditaram o tom do primeiro dia do evento.

Prestigiaram a cerimônia de abertura os deputados federais Nilto Tatto (PT-SP) e Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), os secretários estaduais de Meio Ambiente, Maurício Brusadin, e da Justiça, Márcio Elias Rosa, o presidente do PT-SP, Luiz Marinho, e o representante da superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de São Paulo, Edson Fernandes.

“Quem vem para cá nos visitar, comprar e participar das atividades com certeza sai daqui como defensor da reforma agrária. E estamos precisando desses defensores ocultos, mas que fazem o trabalho de formiguinha para derrubar a força opressora do outro lado. Aqui, podemos encontrar o que falamos, de que o assentamento da reforma agrária, a agricultura familiar é o melhor e praticamente o único local onde podemos desenvolver uma alimentação limpa, sadia, livre de veneno e que é expressada através dos produtos agroecológicos”, afirmou Milton Fornazieri, do setor de produção do MST.

Fornazieri destacou também que as atividades da feira são canais para debater com a sociedade e enfrentar o poder do agronegócio. Edson Fernandes, do Incra, pediu a inclusão da feira no calendário oficial de eventos de São Paulo.

“É muito importante dar espaço a essas feiras que trazem o trabalho do resultado da reforma agrária, do que tem feito de verdade no campo, que através da sua produção ajuda o Brasil a crescer. Importante mostrar para a cidade para desmistificar para uma sociedade que coloca, às vezes, que agricultores assentados não fazem nada. Isso é uma mentira que precisamos combater”, disse Fernandes.

O secretário de Meio Ambiente afirmou do desejo de levar a feira para outros parques de São Paulo e para a periferia.

“Nós vamos possibilitar que essa feira possa acontecer nos 11 grandes parques de São Paulo que podem receber essa feira. E, fora isso, temos 112 unidades de conservação que podem abrigar também.  Podemos ter divergências em muitas coisas, mas há um eixo central que deve nos unir que é o direito de se organizar. A velocidade de retirada dos recursos naturais é maior do que a velocidade de reposição”, afirmou Brusadin.

A Feira Nacional da Reforma Agrária funciona diariamente das 8h às 20h, até domingo (6). Além de comercializar toneladas de produtos saudáveis, o evento é composto por uma programação de seminários de formação político-cultural. A proposta das atividades é ampliar o debate com a população, aproximando campo e cidade, sobre a necessidade e possibilidades de uma alimentação saudável no prato dos brasileiros.

Edição: Diego Sartorato