Diversidade

Manual de Comunicação LGBTI+ é guia para um jornalismo mais inclusivo

Material sobre diversidade sexual e de gênero propõe combater discursos de ódio e fortalecer democracia na mídia

Brasil de Fato (SP)

,

Ouça a matéria:

O lema da publicação sintetiza sua missão: "substitua o preconceito por informação correta" / Reprodução

A violência contra a população LGBT ultrapassa o limite físico, de agressões e mortes, e envolve os ataques verbais, especialmente no âmbito da mídia. Com o objetivo de contribuir para a diminuição de preconceitos e estigmas e colaborar para um melhor entendimento de termos e conceitos dessa população, a Aliança Nacional LGBTI+ e a Rede Gay Latino lançam no dia (22), terça-feira, em São Paulo, o Manual de Comunicação LGBTI+ voltado para a cobertura da mídia. 

Julian Rodrigues, membro da Aliança e da coordenação do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), destaca que a iniciativa, que acontece neste mês em diversas cidades brasileiras, está vinculada não só ao combate da discriminação de gênero como também ao fortalecimento da democracia. Contra os discursos de ódio, o lema da publicação sintetiza sua missão: "substitua o preconceito por informação correta".

"O manual pretende fortalecer e espalhar as informações, por exemplo, do que é o movimento LGBTI e quais são as suas principais demandas. O papel do manual é ajudar os profissionais e os veículos a fazerem um bom jornalismo, uma boa comunicação que respeite as pessoas", ressalta Julian. 

Inspirado em manuais de organizações como SomosGay (Paraguai), Colômbia Diversa (Colômbia), GLAAD (Estados Unidos) e ABGLT (Brasil), o Manual de Comunicação LGBTI+ é o resultado de um trabalho conjunto, com mais de 300 sugestões e colaborações de especialistas, militantes, ativistas, associados das organizações envolvidas, autoridades públicas, professores, estudantes e profissionais da comunicação. O material ainda traça um panorama sobre avanços recentes no reconhecimento e afirmação de direitos LGBTs no Brasil e no mundo.

Para a transexual Tathiane Aquino de Araújo, presidenta da Rede Nacional de Pessoas Trans (Rede Trans Brasil), a criação desse manual deve-se justamente ao descaso da mídia na responsabilidade com a propagação da realidade de uma população, priorizando a audiência à margem da qualidade.

"Ultimamente, a população LGBT na mídia só se encontra visível em programas jornalísticos com sensacionalismo para mostrar, muitas vezes, o desfecho da vulnerabilidade dessa travesti [por exemplo]. Muitas das vezes, os programas jornalísticos abordam casos de conflitos, de delegacia, de agressão e mostram isso de forma deturpada", questiona a militante. 

Tathiane diz que, de forma rasa, a população LGBT é, muitas vezes, apresentada pela mídia como "agente perturbador da sociedade". Em contrapartida, essas pessoas são vítimas crescentes da violência de gênero no país. O Brasil ocupa o primeiro lugar nas Américas em quantidade de homicídios de pessoas LGBTs e também é o líder em assassinato de pessoas trans no mundo.

Nesse contexto, Julian reforça a importância do debate das ideias no campo da comunicação. "Muitas vezes, os jornalistas da chamada mídia tradicional usam termos pejorativos, sem respeito à identidade de gênero, termos equivocados sobre orientação sexual. Nós estamos em um momento de muito acirramento do ódio e do ataque aos movimentos sociais, às mulheres, aos negros, à população de lésbicas, gays e bissexuais, travestis e transexuais etc, então é sempre um campo de disputa, as linguagens, as reportagens, o jornalismo". 

O Manual de Comunicação LGBTI+ já foi lançado nas cidades de Brasília (DF) e Curitiba (PR) e, no dia 25 deste mês, a cidade contemplada será Maceió (AL).

Confira, abaixo, os lançamentos já confirmados:

SP, São Paulo: 22 de maio de 2018, das 18h30 às 21h. Novotel São Paulo Jaraguá, Rua Martins Fontes, 71, Centro

AL, Maceió: 25 de maio de 2018, às 9h. Assembleia Legislativa de Alagoas, Praça Dom Pedro II, s/no, Centro

Baixe o Manual de Comunicação LGBTI+ na íntegra aqui.

Edição: Juca Guimarães