Pressão

Ativistas protestam em frente a hotel nos EUA para impedir homenagem a Bolsonaro

Presidente brasileiro foi escolhido a "Pessoa do Ano" pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Manifestantes pretendem manter o protesto até 14 de maio, data prevista para realização do evento / Renata Ferreira/ Defend Democracy in Brazil-NY. & George Day/ Rise and Resist

Desde a última segunda-feira (29), ativistas organizam protestos diários em frente ao Hotel Marriott, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, exigindo que seja cancelado o evento em que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (PSL), seria homenageado como "Pessoa do Ano" pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos no dia 14 de maio. Empunhando cartazes com mensagens antifascistas em frente ao saguão de entrada, eles esperam constranger a direção do hotel e impedir a premiação.

As manifestações de 1º de maio, Dia do Trabalhador, incluíram uma parada em frente ao hotel para endossar a reivindicação dos ativistas.

:: Em visita a Trump, Bolsonaro cede aos interesses dos EUA e volta "de mãos abanando" ::

A cerimônia foi recusada pelo salão de eventos Cipriani Hall, em Wall Street, e pelo Museu da História Natural após pressão do prefeito nova-iorquino Bill de Blasio, que chamou Bolsonaro de "homem perigoso". Ambos os espaços disseram não concordar com "os objetivos declarados" do governo brasileiro.

Na última sexta-feira (26), o senador democrata Brad Hoylman, representante de Nova Iorque no Congresso, publicou uma carta para o hotel Marriott pedindo o cancelamento da homenagem ao presidente brasileiro.

A rede de hoteis Marriott foi fundada em 1927, é considerada a maior empresa hoteleira do mundo e tem como subsidiária a rede Ritz-Carlton.

Esta semana, a companhia aérea Delta, a consultoria Bain & Company e o jornal Financial Times retiraram o apoio ao evento da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

 

 

Edição: Daniel Giovanaz