Belo Horizonte

Modelo energético é tema de debate no Acampamento pela Democracia

Movimentos populares apresentam os impactos do golpe sobre a vida dos trabalhadores

Belo Horizonte

,
Acampamento acontece na Praça da Liberdade desde o dia primeiro de maio / Lidyane Ponciano

O modelo energético brasileiro e sua influência na conjuntura política atual foi tema de debate no quarto dia do Acampamento pela Democracia, que acontece na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, desde o dia 1º de maio. Os debatedores apresentaram as relações entre o setor energético e o processo de impeachment em curso contra a presidenta Dilma Rousseff.

Para o assessor de comunicação do Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro/MG) Felipe Pinheiro, o golpe político acarretaria na privatização do petróleo e, consequentemente, na perda de investimentos sociais. “A Petrobras é o motor da economia brasileira, privatizar é atacar diretamente a soberania nacional. É parar a indústria interna e colocar em risco os investimentos em saúde e educação”, ressaltou.

A questão da energia é tema central na articulação do golpe, segundo o petroleiro, pois a reserva brasileira é fortemente cobiçada por investidores internacionais. “Quando se trata de petróleo existem duas realidades: guerra ou golpe de estado. Isso é o que vivemos hoje no Brasil”, disse Felipe.

Energia elétrica

Carlos Machado, do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), afirma que o golpe traria como consequência a terceirização do trabalho. No caso do setor elétrico, a terceirização está relacionada com precarização do trabalho, o aumento o número de mutilações e mortes de trabalhadores, a diminuição da qualidade do serviço e com o aumento da tarifa de energia.

Segundo a militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) Camilla Brito o tema da energia deve fazer parte da luta popular do conjunto das organizações do Brasil. “A conta de luz é a prova de que os trabalhadores e trabalhadoras são roubados todos os meses”, afirma. “Em Minas Gerais, temos a energia mais cara do país. Por isso, é nosso trabalho expor as contradições do modelo energético brasileiro”, complementa.

Ocupação na Liberdade

O Acampamento pela Democracia acontece em protesto ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o que os manifestantes consideram golpe. A previsão é que a ocupação se mantenha até dia 11 de maio, data em que será votada a admissibilidade do processo no Senado.