DEMOCRACIA

Acampamento traz ares criativos à Liberdade

Praça da Liberdade, em BH, muda de cara com atividades culturais e debates contra o golpe

Belo Horizonte

,
Grupo de samba Sarava-Sarandi se apresentou no domingo (8) / Mídia NINJA

A Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, teve um sábado e domingo diferentes. O local foi ocupado por público que participou das atividades do Acampamento pela Democracia, que criaram um ambiente inovador no local. A praça está ocupada desde o dia 1º de maio por manifestantes descontentes com o processo de impeachment da presidência da república.

No sábado, cerca de 300 pessoas participaram da programação, que começou com uma reunião do Fórum Político Interreligioso, às 9h, e terminou com apresentação cultural de Gabriel Guedes e convidados, às 22h. Às 16h, rappers subiram ao palco para realizar a Batalha do Conhecimento, um duelo de versos sobre a democracia.

Mateus Vaz de Melo, integrante do Movimento de Atingidos por Barragens (MAB) e um dos organizadores do acampamento, explica que a diversidade de programação não é coincidência. “A ocupação está sendo organizada por um número grande de entidades. Mas uma característica marcante é que todas são contra o golpe e tem enorme respeito entre si”, ressalta.

As atividades culturais parecem ser momentos de importância para os organizadores. Nas palavras do cantor Alexandre Rezende, do grupo de samba Sarava-Sarandi, que se apresentou na noite de domingo, a arte representa uma forma de renovação e resistência. “Aqui nós celebramos a felicidade. Porque Cunha e Temer não vão tirar a alegria do povo brasileiro. Desde 1500 nós temos resistência e vai continuar tendo", diz.

Praça mais popular

A Praça da Liberdade está localizada em um bairro de classe média alta em Belo Horizonte, na região da Savassi, e foi palco das manifestações contra Dilma Rousseff no último ano. Diariamente moradores do entorno utilizam o local para esportes ou lazer. É considerada uma das praças mais bem estruturadas da cidade.

“Aqui tem árvores, fonte, jardim, e não é à toa, é porque ela está justamente num bairro rico. Ocupar a Liberdade é mostrar que nós não vamos abrir mão do que é construído com dinheiro público, isso também é nosso e vamos fazer uso”, afirma Mateus.

Hoje, o acampamento possui 10 tendas onde funcionam exposição de arte, confecção de faixas, consultas médicas, biblioteca, comunicação, oficinas, palco cultural e reuniões. Somavam, até segunda (9), cerca de 100 barracas dormitórios. E a limpeza é feita todos os dias pelos próprios acampados.

“Toda vez que a gente ocupa um lugar público e tem uma boa organização, acaba ficando com o jeito que nós gostaríamos que fosse”, diz Gabriel Ruiz, integrante do Fora do Eixo e acampado, olhando para grupos que continuavam no local após a apresentação cultural de sábado (10). As pessoas conversavam em um canto, olhavam as fotos da exposição em outro, folheavam livros, tiravam fotos, se abraçavam, sonhavam o futuro do país.

Próximos dias

De segunda a quarta o Acampamento pela Democracia continua com programação intensa, com início às 9h. São mesas de debate e atos político-culturais. Na noite de segunda (09), será realizado um debate sobre a conjuntura, durante a reunião do Conselho Editorial do Brasil de Fato, que será aberta ao público. Às 20h, Celso Moretti se apresenta, às 20h30, Paulo Mourão e, às 21h, Sérgio Lima e convidados sobem ao palco-tenda.

Na terça (10), o cantor Tico Santa Cruz comparece ao evento como parte do Dia Nacional de Paralisações e Mobilizações por Democracia. Na quarta acontece o ato “Fora Temer” a partir das 18h30, com apresentações culturais. O desmonte do Acampamento está marcada para a quarta-feira.