SÃO JOÃO

Olha a chuva! É mentira!

Em tempo de festas juninas, o Brasil de Fato MG conta um pouco da história dos arraiais mais tradicionais de BH

Belo Horizonte

,
Arraial de Belô é considerado o maior do sudeste do país / Daniel Lacerda

O final de semana em Belo Horizonte será de muito forró, quadrilha, bingo e casamentos caipiras. Na sexta (24), é celebrado o Dia de São João e a partir daí a capital inicia uma sequência de festas famosas que já fazem parte da tradição da cidade. Sabendo disso, o Brasil de Fato MG selecionou alguns dos arraiais mais conhecidos por aqui e conta um pouco da história de cada um.

Festa de São João do Bairro João Pinheiro

No sábado (25), a festança começa às 5h da manhã no bairro João Pinheiro, região Noroeste de BH. O evento acontece na Praça Chuí e conta com queima de fogos, Congado que irá buscar a bandeira e o mastro de São João, Missa Conga com a Guarda de Moçambique do Alto dos Pinheiros, quadrilha, Samba da Meia Noite e Tambor de Criola. Uma fogueira irá dar o tom aconchegante à festa. De comida, serão vendidas iguarias típicas e quitutes da culinária baiana. De acordo com um dos festeiros, Flávio Cravo, a festa completa 81 anos em 2016 - foi criada em 24 de junho de 1935, na Rua Tabatinga. “Moro aqui desde que nasci e meus avós, que já faleceram, também organizavam tudo. Desde pequenininho eu frequentava, fazia grude para colar as bandeirinhas na pracinha e hoje fiz isso de novo. Fico até emocionado de lembrar”, comenta. O Congado não fazia parte da tradição, mas após a morte de um dos festeiros na semana da festa, a manifestação se tornou parte do ritual.

Arraiá da São José

Localizada na Av. Afonso Pena, coração da capital mineira, a Igreja São José é um dos principais pontos turísticos da cidade. Como é de se esperar, a festa junina da paróquia não fica pra trás quando o assunto é tradição. Todo ano, as barraquinhas que permanecem no estacionamento do prédio oferecem aos visitantes o melhor da culinária da época, com galinhada, milho, cachorro quente, quentão e canjica. O evento acontece há 12 anos e é organizado por todas as pastorais de Igreja. A quadrilha é de responsabilidade da juventude e, segundo o Coordenador de Comunicação da São José, Brener de Souza Paiva, a festividade já rendeu até casamento. “Namoro tem um monte (risos). Mas tem casal que se conheceu aqui e logo está a caminho do altar”, revela. O Arraiá acontece em julho, entre os dias 7 e 11.

Arraiá da Serra

Organizada por funcionários da Escola Municipal Professor Edson Pisami e Umeis Capivari e São João, a festa junina do bairro Serra acontece neste sábado (25), de 14h às 17h, na Praça do Cardoso. Esse será o primeiro evento realizado fora do colégio e tem o objetivo de reviver a memória da comunidade, que acabou perdendo o costume de realizar arraiais. “Essas tradições estão se perdendo e estamos tentando fazer um resgate cultural. Com a festa, se estreitam as parcerias, relações entre vizinhos, famílias, escolas”, declara Floriscena Estevam, diretora das três instituições de ensino. A organização fica a cargo dos servidores, mas as barraquinhas estão sendo montadas pelos próprios moradores, que têm direito ao lucro gerado. Na quadrilha, participantes do projeto de Educação de Jovens e Adultos (EJA) irão dançar caracterizados. 

Arraial de Belô

Um dos eventos mais tradicionais de BH, o Arraial de Belô existe desde o ano de 1980 e é considerado o maior do sudeste do país, reunindo cerca de 10 mil pessoas por dia de festa. Este ano, a programação foi ampliada e além do concurso de quadrilhas e dos shows na Praça da Estação, contará com mais 400 atrações durante os próximos dois meses. Serão realizados mais de 60 festejos, circuitos gastronômicos e cursos. No domingo, dia 3 de julho, o Viaduto Santa Tereza recebe o Anarriê do Santê, iniciativa que proporciona atividades juninas para crianças, como oficina de musicalização infantil, bonecos reciclados, brincadeiras típicas e teatro.

Você sabia? Arraiá é festa do povo!

A comemoração do dia de São João vem de Portugal, mas a festa brasileira é típica do Nordeste do Brasil. A palavra “arraial” foi criada para designar um lugar muito pequeno. Segundo alguns historiadores, a expressão veio do árabe “ar-rahya” e significava “gente, plebe, povo”. Hoje é designada para dar nome aos cenários das festas, que imitam antigos lugarejos do interior.

Foto: Divino Advincula