Movimentos

LGBT: do campo à cidade, movimentos criam estratégias de combate à discriminação

Violência diária contra a população LGBT, impulsiona iniciativas para ampliar debates

Redação

,
O recém-criado coletivo LGBT do MST participou da Parada do Orgulho Gay em SP neste ano / MST

Filho de assentados, o professor Agnaldo Cordeiro conta que, aos 16 anos, quando assumiu sua orientação sexual para sua família, já existiam núcleos que debatiam questões de gênero dentro do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), mas as discussões acumuladas sobre relações homoafetivas ainda eram escassas.

Na época, o receio era que não encontrasse abertura na família camponesa. Mas ele garante que seus pais souberam lidar bem com o comunicado. "A gente acredita que no meio rural a mentalidade é mais conservadora. Aí que vem a surpresa. Porque dentro do movimento há a compreensão de que é importante acolher as pessoas. Foi um passo importante para me sentir mais seguro”, disse.

A agricultura Daiane Maria Paz, 29 anos, sentiu a mesma insegurança de Agnaldo. "Dizer que foi fácil, não é verdade", disse ao relembrar a trajetória do seu relacionamento com a professora Mariana Cutis, 32 anos. Em 2006, quando elas se conheceram cursando Geografia, não havia nenhum outro casal de lésbicas que elas conhecessem dentro no movimento.

"Era tudo muito novo para gente e tudo muito novo também para a organização. Foi complicado entender que lugar a gente ocupava. Não sabíamos como o movimento se posicionaria sobre", explica Daiane.

Mas, aos poucos, o debate foi se ampliando até culminar na formação do Coletivo de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais e Travestis (LGBT) do MST, que completará um ano no próximo mês. O primeiro encontro do grupo, criado para debater e enfrentar a LGTBfobia, ocorreu na Escola Nacional Florestan Fernandes, localizada em Guararema (SP) em agosto de 2015. O seminário reuniu cerca de 40 pessoas e é considerado um marco para a incorporação de lutas identitárias nestes 30 anos de história do movimento popular.

"O primeiro debate era para aproximar o grupo e pensar qual seria nossa linha política. Foi muito rico para construirmos uma identidade nossa dentro do movimento. Não é ser mais um ‘gueto’, mas é afirmar que somos sem-terra, mas também temos essa outra dimensão humana", disse Agnaldo, que integra o coletivo.

Ele acredita que a criação do grupo foi uma etapa importante, mas ainda tem que ser trabalhada diariamente. "Para um movimento que ainda está tentando superar a questão da participacão da mulher da luta, esse é mais um elemento novo e de como vamos lidar com essas questões que até então não se conhecia", disse.

Daiane e Mariana contam que até chegarem a se casar na própria Secretaria Nacional do MST, elas passaram por um processo e tiveram que enfrentar alguns problemas. A partir do momento que o relacionamento foi comunicado abertamente “parecia que de repente a gente não tinha a mesma capacidade”, contou a agricultura. “Como se nossa capacidade tivesse diminuído e a gente tivesse que provar mais, ter um nível maior de comprometimento”, explicou. Atualmente, elas moram em um assentamento em Santa Catarina onde criam o filho Pedro, de um ano.

Ainda que o machismo e suas estruturas estejam em todos os lugares, Agnaldo acredita que dentro do movimento popular é mais fácil de se criar empatia por outras causas. "Só quem sofre discriminação sabe o quanto ela é dolorosa. E pelo fato de em algumas situações a gente ter sido discriminados por ser sem-terra, usar um boné vermelho, ser rotulado, isso fortalece a ideia de construir um novo homem e uma nova mulher. Não é um sujeito LGBT, como a gente brinca com os outros, mas um sujeito livre de qualquer mazela que possa reduzir nossa vida em rótulos", disse.

Outros coletivos

Frente à violência diária contra a população LGBT, estas e outras estratégias e grupos internos criados por movimentos populares para se debater temas ligados à sexualidade se tornam cada vez mais importantes. Até julho deste ano, foram registrados 173 assassinatos classificados como crimes de ódio vitimando lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em todo o Brasil. Somente nas duas primeiras semanas deste mês, foram registrados 15 mortes deste tipo, o equivalente a um crime a cada 29 horas.

"É inevitável essa questão em qualquer lugar onde coexistam pessoas, pois elas têm gêneros. Então, essa discussão sempre vem", afirma a militante Nathane Gabriele, do Coletivo Autônomo Dos Trabalhadores Sociais (Catso). O grupo atua na defesa dos direitos de trabalhadores autônomos e da população de rua, o que o faz aglutinar pessoas muito diversas entre si — ainda que a militante acredite que haja predominantemente homens cisgêneros e heterossexuais.

Nathane pontua que as ações internas são ainda insuficientes, mas o grupo têm encontrado formas interessantes de abordar a temática. "A maior dificuldade para o debate com a população de rua é o argumento religioso muito forte. Sempre aparece como última palavra uma resposta com a questão da criação para argumentos que dizem respeito ao que é socialmente aceito e à desconstrução de padrões. Isso dificulta o diálogo porque é tida como uma verdade absoluta", explica.

Ela conta que a estratégia encontrada foi utilizar elementos da Bíblia para debater essas questões. Figura próxima ao movimento, o Padre Julio Lancellotti é uma das referências para os militantes no que concerne à leituras bíblicas diferenciadas. "Tem sido uma estratégia interessante, pois faz com que as pessoas reflitam, mas dentro do que elas mesmas acreditam", disse.

Além disso, o grupo realiza também debates internos sobre questões como transgeneridade por meio de exibições de filmes. Nathane explica que é pela observação de comportamentos cotidianos que os temas são elencados.

"Esse tipo de debate tentamos fazer de forma coletiva, mas também no dia a dia, em conversas individuais, principalmente, em relação à violência contra a mulher, porque vira a mexe casais brigam. Toda a sociedade é muito machista e preconceituosa e tem uma grande dificuldade em lidar com isso, e aí a população de rua não é diferente", finalizou.

Coordenador nacional da União Nacional por Moradia Popular (UNMP), Sidnei Pita destacou que atividades e conversas contra LGBTfobia também são constante nos movimentos de luta pela moradia, que também se tornam lugar de acolhida para casais homossexuais, travestis e outros.

Para ele, trazer o recorte de gênero traz novos elementos para o debate de políticas públicas para habitação. "No passado, [o acesso à moradia] era praticamente impossível para essa população LGBT e ainda hoje a prioridade é para a família constituída. (…) O Programa Minha Casa Minha Vida, por exemplo, ainda não entende esse segmento", afirma.

Foto interna: Primeira reunião do Coletivo LGBT do MST em agosto de 2015 / Crédito: MST

Arte: Wilcker Morais

Edição: Simone Freire