Questão indígena

Cimi recebe status consultivo pela ONU

Decisão permite ao Conselho assessorar a ONU, suas comissões e países sobre conflitos indígenas no Brasil

Brasil de Fato

,
O Cimi é a 22ª organização brasileira a possuir status consultivo especial. / Cimi

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) obteve o status consultivo especial no Conselho Econômico e Social (ECOSOC) da Organizações das Nações Unidas (ONU). Com essa decisão, o Conselho recebe o direito de assessorar a ONU, as comissões e outros países sobre conflitos indígenas no Brasil.

O status também permite à organização levar declarações e moções às comissões das Nações Unidas e de órgãos subsidiários que cuidam de questões como direitos humanos, saúde, direitos da infância e outras áreas.

Para Dom Roque, presidente do Cimi, a participação do Conselho em organizações multilaterais e internacionais é uma ferramenta importante para que se possa denunciar o genocídio que os povos originários sofrem no país.

"Não nos omitiremos em denunciar a incapacidade do Estado brasileiro em cumprir suas próprias leis, sua conivência com setores do agronegócio que assassinam e promovem o deslocamento forçado de populações indígenas através de milícias armadas e crimes atrozes”, disse em reportagem publicada no Portal do Cimi.

Questão indígena na ONU

A ONU tem o Fórum Permanente Sobre Questões Indígenas (UNPFII) que reúne povos originários de todo o mundo e desenvolvem debates sobre os aspectos econômicos, social, cultural, meio ambiente, educação, saúde e direitos humanos.

Na edição deste ano, realizada sob o tema “Povos Indígenas: Conflitos, Paz e Resolução”, o Guarani Kaiowá, Elizeu Lopes, denunciou o genocídio promovido contra os povos indígenas pelo Estado, latifundiários e agronegócio.

O UNPFII de 2016 compilou informações de conflitos envolvendo povos indígenas, incluindo questões sobre o Brasil. O documento final pode ser acessado aqui.

Edição: José Eduardo Bernardes