Ministro na berlinda

Chanceler José Serra recebeu R$ 23 milhões da Odebrecht ilegalmente, diz jornal

Esta é primeira vez que ministro das Relações Exteriores aparece na Operação Lava Jato; Serra negou as acusações

São Paulo

,
Acusação foi feita por executivos da Odebrecht a procuradores da Operação Lava Jato e da Procuradoria-Geral da República / Reprodução/ Agência Brasil

Segundo uma matéria do jornal Folha de S.Paulo, publicada neste domingo (7), o ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, teria recebido ilegalmente R$ 23 milhões da empreiteira Odebrecht para sua campanha à Presidência, em 2010. Esta é a primeira vez que Serra, que negou as acusações, aparece envolvido na Operação Lava Jato.

A acusação foi feita por executivos da Odebrecht a procuradores da Operação Lava Jato e da Procuradoria-Geral da República na semana passada.

Para comprovar que houve o pagamento — por meio de depósitos bancários realizados em conta exterior e dinheiro entregue dentro do Brasil —, a empreiteira ainda apresentará os extratos dos depósitos.

Além disso, de acordo com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a Odebrecht teria doado legalmente R$ 2,4 milhões para a campanha do chanceler em 2010. Somado ao valor dado ilegalmente, o ministro teria recebido um total de R$ 25,4 milhões. Com a correção da inflação da época, o montante equivale atualmente a R$ 31,8 milhões.

Entretanto, segundo os depoimentos dos executivos — que fazem parte do esquema de delação premiada —, o valor teria sido distribuído entre outras candidaturas pela direção nacional do partido do chanceler, o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira).

Folha também publicou que depoimentos futuros de funcionários da Odebrecht tratarão de propina paga a intermediários de Serra durante seu mandato como governador de São Paulo (2007-2010).

Procurado, o ministro afirmou ao jornal por meio de nota que sua campanha para a Presidência brasileira em 2010 foi conduzida em acordo com a legislação eleitoral em vigor e que suas finanças à época eram de responsabilidade do PSDB.

Sobre o pagamento de propina quando era governador, Serra classificou a acusação como "absurda".