Crime

Membros do PSC são citados em caso de assédio sexual contra Marco Feliciano

Pastor Everaldo, Gilberto Nascimento e Carla Pimentel também podem estar envolvidos neste caso, segundo B.O.

São Paulo (SP)

,
Jovem realizou boletim de ocorrência no domingo, oficializando denúncia contra Feliciano / Evaristo SA/AFP/Getty Images

A militante do PSC Patrícia Lelis registrou ocorrência neste domingo (7) contra o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) por abuso sexual, e citou também a vereadora de Curitiba Carla Pimentel, o Pastor Everaldo e o deputado Gilberto Nascimento, todos do PSC.

O boletim foi feito na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, na Asa Sul, e suas informações foram confirmadas, segundo apuração do G1. Desde o final do mês de julho, surgem indícios da tentativa de estupro sofrida pela jovem de 22 anos pelo deputado do PSC.

A ação, segundo a vítima, teria ocorrido no dia 15 de junho, no apartamento funcional do parlamentar, em Brasília. Ex-presidente da juventude do partido, Patrícia afirma ter sido convocada ao local para uma reunião. Ao chegar, no entanto, encontrou o deputado sozinho."Ele me prometeu um cargo no PSC com salário de R$15 mil se eu topasse ser sua amante", contou Patrícia. "Eu neguei e ele ficou bravo. Tentou tirar minha roupa à força, me deu um soco na boca e um chute na perna", completou.

Segundo vídeo divulgado com fala da jovem na última sexta-feira (5), ela teria se desvencilhado de Feliciano e fugido.

Depois do ocorrido, o deputado teria difamado Patrícia, que logo foi procurada por Talma Bauer, seu chefe de gabinete. O conteúdo dessa conversa foi publicizado no último dia 03, pela Coluna Esplanada, de Leandro Mazzini, no UOL.

Citação

No áudio, Patrícia afirma estar sendo “prejudicada” dentro do partido por toda a situação e cita o nome da vereadora do PSC de Curitiba, Carla Pimentel, sem mencionar qual seria sua relação com os fatos.

“Eu já tenho até o telefone da Carla Pimentel, porque se esse negócio explodir, essa mulher vai junto comigo”, diz a moça.

Tudo indica que, dessa reunião com Bauer, surgiu nova reunião com o partido, onde estavam presentes o Pastor Everaldo e o deputado Gilberto Nascimento (PSC/SP). Everaldo teria oferecido dinheiro para a jovem, que recusou. Segundo ela, ele ameaçou matá-la, caso levasse a história para frente.

Após início da repercussão do caso, a moça teria sido mantida em cárcere privado em um hotel em São Paulo e obrigada a gravar vídeos desmentindo sua versão inicial.

“Ele pediu as minhas senhas, e ele mesmo postou nas minhas redes”, contou. A moça teria ficado desaparecida por alguns dias até que uma ação envolvendo sua mãe e o repórter da UOL levou ao acionamento da Polícia e à sua libertação.

Investigação

O delegado da 3ª DP de São Paulo, que investiga o caso, Luiz Alberto Hellmeister, deteu Bauer para prestar depoimento no sábado (07), que foi liberado em seguida. O caso de tentativa de estupro não será investigado em São Paulo, já que Feliciano tem foro privilegiado por ser deputado.

Na semana passada, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), que é procuradora especial da Mulher no Senado, protocolou ofício junto ao Ministério Público do Distrito Federal com uma solicitação para que o deputado fosse investigado pela suposta tentativa de estupro. 

“A denúncia é mais um caso de assédio sexual, praticado por figura tida como zelador de direitos e garantias individuais, e mais uma demonstração do cenário machista que compõe nosso parlamento e sociedade”, escreveu a senadora no ofício.

Neste sábado, Feliciano publicou na internet um vídeo ao lado de sua mulher, em que diz que a militante do PSC mentiu sobre o assédio.

Críticas ao PSC

Em seu perfil do Facebook, Patrícia fez críticas ao partido. A jovem afirmou que informou o PSC dos abusos que teria sofrido, mas, segundo ela, nada foi feito. "Procurei o partido assim que os fatos ocorreram. Resultado? Me disseram: 'Patrícia, é melhor você ficar calada. Não vamos tomar nenhuma providência'", escreveu.

Na última quinta (4), a cúpula do PSC determinou a criação de uma comissão interna para apurar a acusação de agressão e assédio sexual.

Cronologia dos fatos

24/7 – A Coluna Esplanada, de Leandro Mazzini, no UOL, denuncia o episódio sem citar deputado.

2/8 – Vaza prints de conversas entre Feliciano e Patrícia. "Sabe do que mais tenho saudade?", pergunta a mensagem com o número do deputado. "De te agarrar e ficar olhando sua carinha linda de choro gritando 'não'".

2/8 – A jovem grava vídeos falando que a denúncia "é coisa da esquerda" para prejudicar o deputado e desmente sua própria versão.

3/8 – Coluna Esplanada divulga áudio de Patrícia denunciando Feliciano ao seu chefe de gabinete, Talma Bauer (entregue por ela).

5/8 - A jovem prestou depoimento durante no 3ª DP da capital de São Paulo, onde revela tentativa de estupro e ameaças de morte.

6/8 - O deputado Marco Feliciano divulgou vídeo em que comenta a acusação de estupro feita contra ele.

7/8 -  Patrícia Lelis registrou ocorrência contra o deputado Feliciano por abuso sexual, em Brasília.

Edição: Camila Rodrigues da Silva