Desemprego

Efeito Macri: número de pessoas que sobrevivem catando lixo aumentou 15%

"Desde 2001 não víamos algo assim”, afirmou um dos catadores de uma cooperativa de Buenos Aires

El Destape*

,
Estima-se que 15 mil novos trabalhadores informais procuram sustento no lixo / Reprodução

Nos últimos meses, a crise econômica da Argentina promoveu a disparada da inflação, o aumento das tarifas dos serviços e a queda abrupta do emprego em setores importantes como a construção. Como efeito, também é possível enxergar um aumento de 15% na quantidade de pessoas que saem as ruas para pegar resíduos em todo o país. Na capital federal, Buenos Aires, a lista de espera para entrar nas cooperativas de reciclagem duplicaram.

A figura do “cartonero” (catador de papelão), surgiu na crise de 2001 e com a recuperação da economia, muitos fundaram suas próprias cooperativas de trabalho e profissionalizaram o que até então era apenas um bico. Para outros, o reaquecimento do setor da construção e outros rumos, possibilitaram que fosse possível alcançar um emprego formal, com salário, registro em carteira, horas extras, acesso à saúde e aposentadoria.

Contudo, passados sete meses do começo do governo de Mauricio Macri, as coisas mudaram para pior. A quantidade de famílias que que tornaram catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis, cresce em um ritmo preocupante. Segundo o Movimento dos Trabalhadores Excluídos (MTE), “o número de pessoas que está saindo à rua com carroças no interior do país é muito grande”, relatam.

Aos 100.00 catadores que já existiam em todo o país no final do ano passado, estima-se que outros 15.000 tenham se somado para procurar no lixo de outros o dinheiro do dia.

Um dos principais motivos desse alarmante crescimento no número de catadores é a queda do emprego na Argentina. São quase 160.000 demissões durante os primeiros seis meses de governo de Macri. O setor mais atingido pelo congelamento e a retração da economia é o da construção, ao registrar queda de 24%, o pior momento do setor nos último 14 anos.

Mesmo na cidade de Buenos Aires, o único distrito que conta com um sistema de inclusão através de cooperativas e incentivo, as coisas também não estão bem. Para Roberto Pontarollo, da Cooperativa El Trebol, a lista daqueles que estão “pendentes de ingresso” na cooperativa, passou de 5 para 35. “Nunca tínhamos tido um registro tão alto de pessoas que ficaram sem trabalho, e a isso deve-se somar o que acontece nas ruas. Desde 2001 que não víamos algo assim”, manifestou o cooperativista.

Outros centros urbanos do país vivem situação similar: em Cordoba, Rosario, Santa Fé e Catamarca, ja é possível notar a quantidade de cidadãos que saem às ruas para trabalhar como catadores.

Artigo originalmente publicado no site <a href=”http://%20http://www.eldestapeweb.com/efecto-macri-ya-hay-al-menos-15000-nuevos-cartoneros-todo-el-pais-n19029">www.eldestapeweb.com



* Traducción: María Julia Giménez

Edição: José Eduardo Bernardes