Jornalismo

Opera Mundi lança campanha de assinaturas

Site independente de notícias internacionais pede contribuição mensal ou anual dos leitores

São Paulo (SP)

,
Campanha / Opera Mundi

O Opera Mundi, único portal brasileiro especializado em notícias internacionais, lançou uma campanha de assinaturas solidárias para se manter financeiramente através do apoio dos leitores.

O site foi criado em 2008 com o objetivo de suprir a falta de destaque de países com os quais o Brasil mantém relações políticas e econômicas nos veículos de comunicação tradicionais. Com cerca de 1 milhão de visitantes únicos por mês, o Opera Mundi, que também inclui os sites Revista Samuel e Diálogos do Sul, tornou-se referência na cobertura internacional. 

A campanha voluntária não envolve conteúdo exclusivo para assinantes, o que, segundo o site, está em consonância com seu caráter progressista, que visa a disponibilidade de informação a todos.

As assinaturas funcionarão através de contribuições mensais de R$ 12, R$ 24, R$ 36 ou R$ 48 mensais, mas também há a possibilidade de realizar assinatuas anuais no valor de R$ 600, R$ 900 ou R$ 1.200.

Aos colaboradores, serão oferecidas recompensas que vão desde agradecimentos públicos nas redes sociais do Opera Mundi até e-books, livros impressos e reproduções de imagens do fotojornalista Diogo Zacarias.

Até então, o site tinha como principal fonte de receita a publicidade privada e estatal. Entretanto, com a decisão do governo interino de cortar a verba publicitária de veículos progressistas, a estratégia das assinaturas se tornou necessária, com o objetivo de ampliar as opções de sustentação econômica do projeto.

Para o editor-chefe do site, Haroldo Ceravolo Sereza, a assinatura solidária mensal permitirá dar solidez ao projeto. "O Opera Mundi tem se pautado pela defesa do interesse público e pela leitura brasileira de eventos internacionais. Acreditamos na importância de manter esse projeto e defender, junto com os leitores, a democratização da comunicação".

Apoio

Em seu canal no Youtube, o Opera Mundi divulgou uma série de depoimentos em vídeo de personalidades que apoiam o projeto de financiamento do site.

Membro da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), João Pedro Stédile, destacou que este é um dos "poucos portais na impensa que traz informações verdadeiras sobre o que acontece no mundo. Assim, se transformou em uma fonte de informação importantíssima para todos os militantes sociais do nosso país".

Em seu depoimento, Stédile também convoca os movimentos e militantes a se engajarem para garantir a qualidade do site.

O embaixador Celso Amorim, que foi ministro das Relações Exteriores do governo Lula e ministro da Defesa do governo Dilma, também gravou um depoimento apoiando o projeto.

Para ele, "é muito importante ter uma cobertura internacional plural, para não ficarmos restritos às agências internacionais". "Porque elas são internacionais apenas no nome, mas respondem aos interesses dos países de onde são. Já o Opera Mundi transmite informações com o ângulo que interessa ao Brasil, com ênfase na América Latina e na África", destacou. 

Outras personalidades gravaram seu apoio ao projeto, como a cartunista Laerte, a sambista e deputada estadual pelo PCdoB, Leci Brandão, o jornalista Leonardo Sakamoto, a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral, e a deputada federal e candidata à prefeitura de São Paulo, Luiza Erundina.

Edição: Camila Rodrigues da Silva