Coluna

Governo Temer quer deformar o Ensino Médio

Imagem de perfil do Colunista
27 de Setembro de 2016 às 14:52
Em 2015, secundaristas iniciaram movimento que incomodou setores conservadores / Divulgação
Essa é uma tentativa do governo de criar uma geração de jovens sem senso crítico

O governo Temer anunciou uma “reforma” no Ensino Médio e retirou a obrigatoriedade de algumas disciplinas, entre elas artes, sociologia e filosofia. Mas, qual é o objetivo por trás da retirada dessas matérias do currículo do ensino médio? Simples: tirar o senso crítico e a capacidade dos alunos de pensar a sociedade, a própria educação, a política e a cidadania.

Artes estimulam a imaginação. Para que queremos jovens com imaginação? Melhor lhes entregar tudo formatado e padronizado.

Sociologia ensina os jovens a pensar e entender as relações sociais e econômicas. Contextualizar causas e efeitos de acontecimentos históricos, buscar alternativas para relações de todos os tipos presentes na sociedade.

Filosofia apresenta ao aluno e à aluna os mais diversos tipos de manifestações do pensamento humano. São séculos de abordagens de todas as linhas. Oferece ao indivíduo a possibilidade de ver a existência humana por diversos ângulos. Entrega ferramentas para o desenvolvimento de uma percepção mais profunda do passado, presente e para construir o futuro.

RETROCESSO

É muita atraso de vida achar que estas matérias representam uma “doutrinação marxista”. Quem diz isso não sabe nada sobre Marx ou qualquer pensador de qualquer outra linha.

O que estão fazendo é uma tentativa de criar uma geração de jovens que apenas reproduzirão conteúdos, sem senso crítico.

Não querem pensadores, querem reprodutores, robôs, que não questionarão nada. O medo deles é que nós tenhamos conhecimento. Voltamos para os anos 90. Lamentável retrocesso.