Eleições

Site ajuda a escolher candidaturas comprometidas com direitos humanos

Plataforma ‘Me Representa’ leva em conta compromisso com direito à cidade e igualdade de gênero e raça

São Paulo (SP)

,

Ouça a matéria:

Candidatos e candidatas de 191 municípios estão cadastrados / Reprodução

O site “Me Representa” pretende a ajudar os eleitores e as eleitoras a escolherem candidaturas às câmaras municipais comprometidas com direitos humanos. A plataforma indica os candidatos e candidatas que têm maior compromisso com as pautas que eleitores e eleitoras escolherem.

“Nosso objetivo principal é ajudar os eleitores e as eleitoras a encontrarem os candidatos e candidatas ao Legislativo que são comprometidos com a igualdade de gênero e de raça, com direitos LGBT e com diretos humanos nas cidades”, explica Mariana Mazzini, que integra a Rede Feminista de Juristas, uma das organizações que promove a plataforma.

A proposta reuniu diversas entidades em torno da temática. “A ideia surgiu de um encontro de diferentes grupos que atuam na defesa de direitos e que tinham o desejo de incidir sobre as eleições municipais esse ano. Quanto a gente sentou para conversar, cada um tinha um pedaço de uma estratégia em relação às pautas de garantia de direitos e igualdade. Isso permitiu estruturar o projeto”, complementa Mazzini.

Confira a versão em áudio da reportagem (para baixar o arquivo, clique na seta à esquerda do botão compartilhar):

 

Funcionamento

O site permite que candidaturas se cadastrem, respondendo a 14 questões, que incluem a defesa de planos educacionais que abordem a questão de gênero, as cotas raciais e a desapropriação de prédios abandonados para utilização em moradia popular. Os eleitores e eleitoras respondem às mesmas questões, e a plataforma, então, elenca os candidatos e candidatas mais próximos à posição de quem irá votar.

“O eleitor entra e responde as mesmas 14 questões. Só vão aparecer aqueles candidatos que responderam as mesmas pautas que eles, ou mais. Os que se comprometeram com as 14 pautas aparecem para todo mundo. Os eleitores podem ver o que os candidatos responderam ‘sim’ ou ‘não’”, aponta Marina Lima, também integrante da Rede.

São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre, Salvador, Belo Horizonte e Campinas são os municípios com maior número de candidatos e candidatas cadastradas.

“[O site] está aberto para qualquer cidade. No último levantamento que a gente fez, tinha 191 cidades com pelo menos um candidato cadastrado. Em algumas cidades específicas, na qual tínhamos mais capacidade, a gente fez uma busca ativa por candidatos. Nós conseguimos mobilizar voluntários, mais de dois mil no Brasil todo. Eles entraram em contato - um por um - por e-mail, por Facebook, convidando candidatos de todos partidos”, relata Lima. “Os números em relação ao que a gente já conseguiu são bem legais. Já tivemos 59 mil usuários que utilizaram a plataforma e 1270 candidatos. Só em São Paulo, tivemos 135, mais que 10% dos candidatos”.

Partidos e coligações

A lista de candidaturas com maior afinidade com quem responde ao questionário segue uma lógica baseada nos partidos e coligações que representam. “A gente tem outro objetivo: trabalhar a compreensão que a gente tem do processo eleitoral, de como se vota no Brasil. Para o Legislativo, o nosso sistema é o voto proporcional. Os partidos e coligações são fundamentais na constituição do resultado”, indica Mariana.

“As candidaturas aparecem na plataforma de acordo com a nota da coligação, exatamente para que, se a pessoa estiver em dúvida, ela saiba como o partido vota. Ela sabe que está votando em uma pessoa, mas tem que priorizar uma coligação que também apoia as pautas. É diferente do Executivo. No Legislativo, muitas vezes, você nem elege a pessoa que você queria”, diz Marina.

No site, os partidos recebem notas de acordo com suas posições em discussões nacionais, como aborto e redução da maioridade penal, e as coligações recebem uma média.

“Tem um descompasso entre como as pessoas geralmente votam e como o sistema é estruturado. Isso tem um resultado: as pessoas votam em candidaturas e ajudam a eleger outras que não necessariamente elas escolheriam. Nossa proposta foi também discutir como os partidos e as coligações se comprometem”, complementa Mazzini.

“Quando você escolhe seu candidato, dentro do perfil dele, a gente explica também o que é a coligação e, novamente, coloca que, se votar nele, indica que partidos estarão recebendo o voto e quais as outras candidaturas que poderão ser eleitas por consequência”, finaliza Lima.

O “Me Representa” foi criado por várias entidades: #VoteLGBT, LGBT-Brasil, Rede Feminista de Juristas, CFEMEA e #AgoraÉqueSãoElas, além das organizações integrantes da articulação Nossas Cidades – Meu Rio, Minha Sampa, Meu Recife e Minha Porto Alegre. 

Edição: Camila Rodrigues da Silva