Artigo

Opinião: Pressão para Cemig avançar

Nossa luta é por uma Cemig com empregos e serviços de qualidade

Belo Horizonte

,
Arcângelo: Também cobramos que a estatal cumpra as metas de qualidade na prestação do serviço / Taciana Dutra / Frente Brasil Popular de Minas Gerais

Após um mês da entrega da pauta de reivindicações para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2016/2017 dos eletricitários, a Cemig finalmente marcou a primeira reunião de negociação com a categoria.

Em mesa, o Sindicato dos Eletricitários (Sindieletro-MG) cobra respeito às cláusulas do Acordo Coletivo; valorização da categoria, melhoria da qualidade do serviço prestado pela estatal; fim dos acidentes de trabalho e da terceirização na empresa, com a realização de concurso público; e, ainda, que a Cemig e o governo do estado cumpram todos os acordos assinados com os trabalhadores, sobretudo o que prevê a contratação de 400 eletricitários ainda este ano.

Também cobramos que a estatal cumpra as metas de qualidade na prestação do serviço, pois sabemos que o tempo que o consumidor fica sem energia está acima dos índices definidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Caso contrário, pelas regras do órgão, a Cemig Distribuição perderá a concessão do serviço no estado. 

Completando 65 anos em 2016, o Sindieletro continua exigindo a primarização (fim da terceirização) na Cemig e a manutenção das conquistas dos trabalhadores. No cenário nacional, mantemos a defesa radical e corajosa do emprego, dos direitos da classe trabalhadora e a proteção das empresas públicas. 

Nesse contexto, é necessário destacar a importância de defender a Cemig da precarização e da privatização, mantendo, com a estatal, as concessões das usinas de São Simão, Jaguara, Miranda e Volta Grande. 

Nossa luta é por uma Cemig com empregos e serviços de qualidade, condições fundamentais para a retomada do nível de confiança dos empregados e consumidores na Companhia. 

*Arcângelo Queiroz é diretor do Sindieletro/MG.