Cortes

Primeira votação da PEC 241 gera onda de críticas

Protestos de parlamentares, estudantes e internautas nas redes sociais repudiam medida

São Paulo

,
Público que acompanhava votação e protestava contra PEC / L. Marques/AgPT

O primeiro turno de votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 na Câmara dos Deputados, ocorrido na noite da segunda-feira (10), gerou uma onda de críticas à medida – de parlamentares, do movimento estudantil e de internautas nas redes sociais. Diversas manifestações contra o projeto já foram marcados por todo o país.

O texto da PEC foi aprovado em primeiro por 366 votos favoráveis e 111 contrários. Apenas seis legendas - PT, PDT, Rede, PSOL, PCdoB e PMB - orientaram suas bancadas a votar contra. As lideranças dos partidos restantes se posicionaram a favor da medida. A totalidade dos deputados do PMDB e do PSDB, principais agremiações do governo não eleito, votaram em prol do projeto.

O governo chama a proposta de novo regime fiscal, enquanto oposicionistas a batizaram de “PEC da Morte”, por conta de seus impactos em áreas como a saúde e educação públicas.




Untitled chart

Create bar charts


Para que uma PEC seja aprovada são necessárias duas votações favoráveis em cada casa – Câmara e Senado. Três quintos dos parlamentares devem se manifestar favoravelmente o que significa, na Câmara, um mínimo de 308 deputados.

Críticas

Estudantes ocuparam o gabinete da Presidência da República em São Paulo, localizado na Avenida Paulista, região central da capital do estado. O objetivo do ato, capitaneado pela União Nacional dos Estudantes (UNE), era permanecer no local durante a votação da PEC 241. Os alunos também protestavam contra o projeto batizado como “Escola sem Partido” e a medida provisória da reforma do ensino médio.

Além de UNE e da União Estadual dos Estudantes (UEE-SP), participaram da ocupação a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), a União Paulista dos Estudantes Secundaristas (Upes) e outros movimentos. Os manifestantes permaneceram no local por sete horas, saindo do edifício após negociação.

"Não deixaremos que acabem com nosso futuro. Hoje foi um ato importante. Espero que toda a população tenham recebido o recado: vamos resistir!", disse Peter Lucas, diretor de universidades privadas da União Estadual dos Estudantes de São Paulo (UEE-SP).

O deputado federal Jean Wyllis (PSOL – RJ), logo após a votação, utilizou o Facebook para se manifestar. O parlamentar destacou que o público que acompanhavam a votação gritava “assassinos” para os deputados que votaram a favor da PEC: “De certa forma essas pessoas têm razão. Alguém que aprova uma PEC dessa, em última instância, está colaborando com a morte de brasileiros e brasileiras que terão seu direito à saúde afetado”.

No Twitter, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) disse que a “aprovação da PEC do fim do mundo do Temer joga o Brasil num abismo por 20 anos e condena nossa população em nome dos banqueiros e dos mercados”.

O tema foi um dos assuntos mais debatidos no Twitter na segunda-feira, tornando-se um trending topic mundial. Segundo o perfil de Fabio Malini, professor da Universidade Federal do Espírito Santo, em apenas um dia, 186.713 tweets foram gerados – equivalente a quatro vezes o acumulado da semana. De acordo com ele, em determinado momento, a cada três minutos, mil tweets sobre o tema eram postados. Analisando o comportamento das postagens, a imensa maioria dos posicionamentos na rede eram contrários à PEC.

A crítica à PEC desponta como um fenômeno com potencial para também tomar as ruas. Diversos atos e atividades já foram marcados por todo o Brasil, articulados em sua grande maioria pelo movimento dos secundaristas. Confira as datas abaixo.

São Luís (MA) – 8h às 19h – 11/10

Guarupuava (PR) – 7h30 – 11/10

Maringá (PR) – 6h às 23h – 11/10

Paranguá (PR) – 19h às 21h – 11/10

Toledo (PR) – 7h às 23h – 11/10

Rio de Janeiro (RJ) – 17h – 21/10

Macaíba (RN) – 19h – 11/10

Natal (RN) – 14h – 11/10

Camaquã (RS) – 10h – 11/10

Canguçu (RS) – 15h – 11/10

Charqueadas (RS) – 20h – 11/10

Farroupilha (RS) – 14h – 11/10

ABC Paulista (SP) – 18h – 11/10

Bragança (SP) – 8h – 11/10

Caraguatatuba (SP) – 15h – 11/10

Guarulhos (SP) – 16h – 11/10

São Paulo (SP) – 18h – 11/10

São Paulo (SP) – 18h – 17/10