PREFEITURA DO RIO

Editorial - Eleições Rio: Da unidade vai nascer a novidade

Conquistar uma prefeitura de esquerda no Rio de Janeiro significa garantir um ponto de resistência

Rio de Janeiro (RJ)

,
É fundamental o engajamento de toda a esquerda na campanha de Marcelo Freixo (PSOL). / Katiana Tortorelli

O Rio de Janeiro vive um momento único nesse segundo turno das eleições para a Prefeitura. Por um lado, o povo carioca já conquistou um grande avanço que foi a derrota do PMDB, que não terá mais a prefeitura carioca. Mas, ainda assim, existe a possibilidade da direita continuar dirigindo a cidade, através da candidatura de Marcelo Crivella (PRB), que recebe apoio dos setores mais conservadores do Rio de Janeiro.

A situação política brasileira é preocupante. Aconteceu um golpe político e a esquerda sofreu uma enorme derrota nas eleições país afora. Conquistar uma prefeitura de esquerda no Rio de Janeiro significa garantir um ponto de resistência a todos os ataques que o povo brasileiro vem sofrendo.

Por isso, é fundamental o engajamento de toda a esquerda na campanha de Marcelo Freixo (PSOL). Um dos muitos motivos das dificuldades que o país e o Rio de Janeiro vêm passando vem do fato de a esquerda ter muita dificuldade de estar unida. Em nome de polêmicas e divergências, e da prioridade que as organizações têm de se construir, deixam de lado muitas vezes as pautas fundamentais para o povo, ou seja, a luta por uma vida melhor para todos.

Sabemos que o momento eleitoral sempre dificulta a construção de unidade da esquerda. Mas, nesse momento, essas divergências devem ser deixadas pra segundo plano. Ninguém deve abandonar suas posições, suas propostas, etc. Mas todos devem reconhecer que a unidade para eleger Freixo e derrotar a direita é decisiva.

Diversas organizações de esquerda e progressistas tem declarado seu apoio a Marcelo Freixo no segundo turno. Por exemplo, a deputada Jandira Feghali (PC do B), que fez uma campanha muito importante de denúncia do golpe no primeiro turno. Ela agora se engaja na campanha para que tenhamos uma prefeitura de esquerda no Rio.

Esse momento também pode ser importante para avançar no diálogo entre as organizações de esquerda. Apostar na campanha de Freixo sem deixar de construir ferramentas de unidade, como a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo.

É a hora de termos humildade. É tempo de apostarmos mais no que temos em comum, o que nos unifica, e menos no que nos divide e nos enfraquece.