Eleições 2016

Um da periferia, outro dos edifícios: Recife tem candidaturas opostas na disputa

Histórias de vida e trajetórias políticas antagônicas deixam candidatos em pólos opostos

Recife

,
Eleições municipais contrapõem PT e PSB / BdF PE

JOÃO PAULO

Nome: João Paulo Lima e Silva. Idade: 64 anos (31/Outubro/1952). Partido dos Trabalhadores (PT).

Biografia: Filho de um cobrador de ônibus e de dona de casa, João Paulo cresceu no Ibura com seus quatro irmãos. Ainda jovem começou a atuar na Associação de Moradores do Ibura e, nos anos 1970, em meio à Ditadura Militar, começou a se organizar na Juventude Operária Católica (JOC). Além da atuação política, nesse período João Paulo cursou Edificações na Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães (ETEPAM), onde se formou e tornou-se operário metalúrgico.

João Paulo foi eleito presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco e, em seguida, tornou-se o primeiro presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT). No fim da década de 1970, João Paulo entrou de cabeça na construção do Partido dos Trabalhadores (PT).

Dez anos depois, em 1988, João Paulo foi o primeiro vereador do PT no Recife. Em 1990 é eleito deputado estadual. Foi nesse período que ele teve três costelas quebradas e um pulmão perfurado pela Polícia Militar, enquanto defendia a posse de terra para moradores da área de Sítio Grande, na Imbiribeira. Na eleição seguinte foi o deputado estadual mais votado de Pernambuco, repetindo a marca em 1998. Em 2000 foi eleito prefeito do Recife e, quatro anos depois, reeleito no 1º turno. Concluiu seu mandato com 84% de aprovação popular. Em 2010 foi eleito deputado federal. Em 2014 se candidatou ao Senado, mas não foi eleito.

Propostas: O Plano de Governo lançado pela candidatura de João Paulo foi construído nas chamadas “cirandas”, um processo de escuta da população e da militância. Durante o primeiro mês de campanha foram realizadas 11 “cirandas” temáticas sobre educação, cultura, saúde, juventude, mulheres, diversidade sexual e gênero, pessoa idosa, igualdade racial, meio-ambiente, cidade e comunicação. Disponível em seu site de campanha, o programa petista inclui o retorno do Orçamento Participativo – ferramenta de participação popular que foi excluída da atual gestão.

Na Saúde a principal proposta é a ampliação da atenção básica, elevando o número de equipes de saúde da família e esticando o horário de funcionamento das Unidades Básicas de Saúde (USF), integrando as Upinhas a essa lógica. Para Moradia o petista prometeu voltar a realocar em habitacionais a população que hoje vive em palafitas, assim como retomar a fiscalização permanente da Defesa Civil nas áreas de risco dos morros do Recife. Para mobilidade, a criação do VEM Mais Fácil – com o qual os passageiros poderão trocar de ônibus sem pagar outra passagem e sem precisar passar por um Terminal de Integração – foi a proposta mais propagandeada.

A chapa encabeçada por João Paulo (PT) tem como candidato a vice-prefeito Silvio Costa Filho (PRB). O deputado estadual é recém-saído do PTB de Armando Monteiro, sigla que também integra essa coligação. Mas o PRB de Sílvio Costa Filho é o partido da Igreja Universal, fato que deixa a militância petista com as orelhas em pé. Nacionalmente o PRB votou a favor do impeachment que derrubou a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) e costuma adotar posições conservadoras ao tratar dos direitos das mulheres e da população LGBTs, bem diferente do que defende o PT.

 

 

 

GERALDO JULIO

Nome: Geraldo Julio de Melo Filho Idade: 45 anos (17/Março/1971). Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Biografia: Geraldo Julio cresceu e viveu na Madalena, bairro de classe média-alta da capital pernambucana. Não se envolveu com política durante a juventude. No fim da década de 1980 foi aprovado no vestibular para o curso de Administração de Empresas na Universidade de Pernambuco (UPE).

Na década de 1990 começou a se envolver com política, sempre próximo do seu atual partido. Assumiu cargos no governo Arraes e em prefeituras do PSB da Região Metropolitana. Na primeira gestão do governo Eduardo Campos (2007-10) Geraldo Julio foi secretário de Planejamento e Gestão. No início do segundo mandato assumiu a pasta de Desenvolvimento Econômico, tendo a responsabilidade de presidir o Complexo Portuário de Suape. Em 2012 foi escolhido por Eduardo Campos para ser o candidato do PSB à Prefeitura do Recife, sendo eleito já no primeiro turno. Chega ao fim do atual mandato com 45,5% de aprovação popular.

Propostas: Diferente da campanha de 2012, quando fez muitas promessas – e não conseguiu cumprir nem metade –, agora, ele não está prometendo tanto. Um exemplo que deixa evidente isso é a promessa para a educação básica. Em 2012 Geraldo prometeu construir 42 Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs, ou creche-escola), ampliando em 5 mil o número de vagas. Mas após quatro anos apenas 10 creches saíram do papel. Na nova campanha, Geraldo sequer promete completar o número de creches pendentes. Ele promete apenas ampliar em 1.500 o número de vagas.

Uma novidade é a proposta de construir um Hospital do Idoso – que, no entanto, não é detalhada como a proposta de Hospital da Mulher quatro anos atrás. Na educação a novidade é a promessa de um projeto de intercâmbio no exterior para estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental, chamado “Do Recife Para o Mundo”. O pouco detalhamento nas propostas é reflexo do fato que o PSB não lançou um plano de governo para o Recife a partir de 2017. O site do candidato informa, desde agosto, que “em breve você terá acesso ao programa completo”.

Nem direita, nem esquerda, muito pelo contrário

A candidatura de Geraldo Julio foi construída para ganhar no 1º turno, a exemplo de 2012. Naquela ocasião sua candidatura foi conduzida pelo braço forte do seu padrinho político Eduardo Campos e apoiada por uma coligação de 14 partidos. Este ano a coligação foi ainda maior, com 20 siglas, uma “salada” ideológica de partidos de direita, centro, alguns partidos “de aluguel” e também siglas historicamente de esquerda, como o PDT e o PCdoB. O Partido Comunista do Brasil, inclusive, indicou Luciano Siqueira para continuar como vice de Geraldo.