Editorial

Vitória de Greca consolida grupo tradicional na política de Curitiba

Assim como Richa, o perfil do vencedor dessas eleições é o de pertencer a uma família tradicional e de poder na política

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,
Votos brancos, nulos e abstenção no segundo turno chegaram a um patamar de 35%, número maior que no primeiro turno / Reinaldo Ferrigno/Agência Câmara

Vitória de Greca consolida grupo tradicional na política

A vitória de Rafael Greca (PMN) à prefeitura de Curitiba, com 53,25% dos votos, à frente de Ney Leprevost (PSD), que fez 46,75%, é considerada uma vitória para o atual governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), que apoiou Greca desde o primeiro turno.

Assim como Richa, o perfil do vencedor dessas eleições é o de pertencer a uma família tradicional e de poder na política paranaense. Greca se consolidou nos anos 1990, vinculado ao ex-prefeito Jaime Lerner e ao grupo que dominou a prefeitura da capital por mais de vinte anos.

Os trabalhadores devem estar atentos ao perfil personalista de Greca, prefeito entre 1993-1996, que já mostrou resolver os problemas sem valorizar espaços de diálogo com os trabalhadores, caso de sindicatos e associações de bairro. Isso é preocupante, em um momento quando cresce a pressão na capital por melhores serviços públicos, transporte e moradia.

Reformar a política

Votos brancos, nulos e abstenção no segundo turno chegaram a um patamar de 35%, número maior que no primeiro turno. A insatisfação do povo com os políticos reforça a necessidade de uma reforma política: com maior participação popular e menos participação do financiamento privado na política, que ainda predomina e segue levando ao poder apenas famílias tradicionais.