CRISE DIPLOMÁTICA

Venezuela é suspensa do Mercosul

A informação foi confirmada pelo ministro das Relações Exteriores, José Serra

Rio de Janeiro (RJ)

,
Em junho desse ano José Serra havia prometido apoio ao líder da oposição venezuelana, Henrique Capriles / Divulgação

O governo Temer se envolve em mais uma crise, dessa vez cria um problema diplomática com a Venezuela, um dos principais sócios comerciais do Brasil. A confirma de a Venezuela tinha sido suspensa do Mercosul veio nessa sexta-feira (2), em declarações do ministro das Relações Exteriores, José Serra. Ele disse que o país tinha sido advertido quanto a essa possibilidade. “Já tinha sido anunciado [que a Venezuela seria suspensa do bloco econômico] se não cumprisse certos requisitos, e foi”, ressaltou o ministro, que evitou comentar ou dar detalhes sobre o assunto.

A decisão sobre a Venezuela está relacionada ao vencimento do último prazo acordado em setembro para que Caracas cumprisse as exigências feitas para a adesão desse país ao Mercosul.

Os chanceleres dos países fundadores bloco – Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – elaboraram um comunicado no qual explicam que a Venezuela não cumpriu seus acordos. As informações são da Rádio França Internacional.

VENEZUELA DENUNCIA GOLPE NO MERCOSUL

A chanceler venezuelana Delcy Rodríguez denunciou que a Venezuela está sofrendo um golpe dentro do organismo. “Pretendem dar um golpe de Estado dentro do Mercosul. Se essa suspensão se concretizar o estarão colocando o Mercosul na ilegalidade. Nós nos mantemos dentro da legalidade do sistema, portanto a Venezuela não foi notificada”, disse a ministra de relações exteriores da Venezuela nessa sexta (2).   

A marginalização da Venezuela se desenhava desde que os demais sócios bloquearam, em julho passado, o acesso do país à presidência semestral do Mercosul. Em setembro, os quatro países fundadores decidiram ocupar o posto de forma colegiada e intimaram o governo do presidente Nicolás Maduro a adotar até 1º de dezembro todos os compromissos de adesão. Entre eles, a livre circulação de mercadorias entre os países do Mercosul e a cláusula democrática.

Na última terça-feira (29), a Venezuela tinha declarado disposta a aderir a um dos acordos comerciais pendentes - aquele relacionado às tarifas comuns e à livre circulação de bens. "Finalizadas as revisões técnicas, a Venezuela se encontra em condições de aderir ao Acordo de Complementação Econômica", afirmou a ministra das Relações Exteriores, Delcy Rodríguez, em uma carta dirigida aos governos da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.