PROTESTO

Racistas, não passarão!

Em ato, negras e negros de Belo Horizonte denunciam caso de discriminação em shopping da capital

Belo Horizonte

,
Ação aconteceu na tarde de terça (20) / Maxwell Vilela

Cerca de 50 pessoas realizaram, na tarde de terça (20), um ato dentro do Shopping Cidade, no Centro de BH, em denúncia à discriminação sofrida por jovens negros que frequentavam o local. Na última sexta (16), a estudante de pedagogia Ayana Amorin, de 22 anos e quatro amigos passeavam pelo shopping quando perceberam que estavam sendo perseguidos por um segurança. Incomodados, eles questionaram a ação do vigia, que teria afirmado “não dever satisfações aos jovens”.

Eles contam que a partir desse momento todos os seguranças do local se voltaram para o grupo. Mais tarde, os seguranças abordaram dois rapazes que estavam com a estudante. Segundo ela, os vigias empurraram os jovens e pediram para que eles deixassem o local. Ayana relata que o segurança teria afirmado que “a presença [dos jovens] estava ameaçando a segurança do shopping”.

Depois do ocorrido, Ayana, que integra o Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN) convocou, junto com outras entidades, um ato em denúncia ao caso. Para a estudante, o racismo não pode ser silenciado e por isso, além das medidas legais, é necessário também chamar atenção da sociedade para a pauta. “É importante a gente denunciar para que outras pessoas também denunciem quando o racismo acontecer. Não podemos nos calar!”

Dificuldade até para registrar o racismo

Ayana chamou a polícia para registrar o caso, mas segundo elas até mesmo nessa hora houve resistências. “A polícia resistiu muito em fazer o boletim de ocorrência, sempre tentando deslegitimar a denúncia” relata a estudante.

Além do ato e do registro os jovens afirmaram que também vão entrar com uma ação no Ministério Público.