PROTESTOS

Mexicanos entram em quarto dia de protestos contra aumento do preço de combustíveis

Manifestantes pedem renúncia de presidente Enrique Peña Nieto, com índice de quase 70% de rejeição

Ópera Mundi,
Além de protestar contra o aumento da gasolina, manifestantes pedem "Fora Peña" / Agência Efe

O México entrou nesta quarta-feira (04) no quarto dia de protestos populares contra a medida do governo de Enrique Peña Nieto que aumentou o preço da gasolina e do diesel em até 20%. Protestos e bloqueios em estradas em todo o país ocorrem desde domingo (01), quando a medida, que cortou subsídios públicos que mantinham o preço do combustível, entrou em vigor após ser aprovada pelo Senado em outubro.

Nesta quarta-feira (04), mensagens circularam nas redes sociais convocando os cidadãos mexicanos a não realizarem operações bancárias, compras ou chamadas telefônicas, e a desligarem a televisão entre as 10h e 13h, em uma nova ação de protesto contra o "gasolinazo", somada aos bloqueios em estradas realizados nos dias anteriores.

Desde o primeiro dia do ano, organizações camponesas e sociais como El Barzón e Central Independiente de Organizaciones Agrícolas convocaram manifestações contra o “gasolinazo”, levando milhares de pessoas às ruas em 29 dos 32 Estados mexicanos. Manifestantes bloquearam avenidas e estradas, além de tomar pedágios para permitir a livre circulação de veículos. Desde domingo, saques a lojas e confrontos de manifestantes com policiais levaram à prisão de mais de 60 pessoas em todo o país.

Segundo a Polícia Federal, que reforçou sua presença em 19 pontos afetados pelos bloqueios, 30 trechos de rodovias foram bloqueados na terça-feira (03). Na Cidade do México, a Secretaria de Segurança Pública informou o fechamento de 27 postos e seis bloqueios em 12 das 16 zonas que compõem a capital mexicana.

Segundo comunicado divulgado pela Pemex (Petróleos Mexicanos), os bloqueios nos postos levaram a uma “situação crítica de distribuição em estações de serviço de Chihuahua, Morelos, Durango e Baja California”. A estatal ainda afirma que caso a situação permaneça, as atividades nos aeroportos em Chihuahua e Baja California poderão ser afetadas.

O presidente do México, Enrique Peña Nieto, enfrenta o momento de menor popularidade do seu mandato, que termina em 2018, com cerca de 70% de índice de rejeição por parte dos mexicanos. Manifestantes também pedem a renúncia do presidente, com gritos de “Fora Peña” e “Não ao ‘gasolinazo’”.

Consequências para economia mexicana

Segundo analistas, o aumento do preço da gasolina pode levar o país a uma crise de desemprego, inflação e desaceleramento econômico e, inclusive, à recessão.

De acordo com estudo realizado pelo BBVA Research, a inflação no México deve atingir uma média de 4,7% durante 2017, diminuindo o poder de consumo dos mexicanos. “Estaríamos em desvantagem indiscriminada perante produtos do exterior e de procedência duvidosa, o que ocasionará o fechamento de mais de 150 mil micro, pequenos e médios negócios”, diz a análise.

A Associação Latino-Americana de Micro, Pequenos e Médios Empresários prevê que, como consequência do aumento da gasolina, a cesta básica encarecerá no mínimo 30% e o preço das matérias primas da indústria de manufaturas aumentará até 50% no México.