Campo

Contra a reforma da Previdência, mulheres protestam em sedes do INSS em 35 cidades

Ocupações contra a reforma da Previdência fazem parte da Jornada Nacional de Luta das Mulheres Sem Terra

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Agência do INSS na esquina das ruas XV de Novembro e João Negrão, centro de Curitiba, foi ocupada temporariamente na tarde desta quarta
Agência do INSS na esquina das ruas XV de Novembro e João Negrão, centro de Curitiba, foi ocupada temporariamente na tarde desta quarta - Giorgia Prates

Com atos contra a reforma da Previdência proposta pelo governo de Michel Temer, as mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realizaram uma Jornada de Lutas neste 8 de março, que teve como principal ação as ocupações e protestos em frente a prédios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Continua após publicidade

Os protestos mobilizaram 40 mil mulheres em 22 estados e no Distrito Federal, segundo o MST. No total, pelo menos 35 cidades tiveram as sedes do INSS ocupadas ou alvo de protestos.

Continua após publicidade

De acordo com o movimento, houve ocupações em Formosa de Goiás (GO); Juazeiro e Barreiras (BA); Maceió, Arapiraca e Delmiro Gouveia (AL); Palmas (TO); Vitória de Santo Antão, Goiaba, Caruaru e Recife (PE); Ceará-Mirim, Mossoró e João Câmara (RN); Itapipoca e Crateús (CE); Belém (PA); Belo Horizonte (MG); e Curitiba (PR).

Continua após publicidade

Outras manifestações ocorreram em frente às sedes do instituto, como nas cidades de Londrina, Apucarana, Rolândia, Ivaiporã, Ortigueira, Maringá, Guarapuava e Cascavel (PR); Cuiabá (MT); Petrolina, Amaraji, Palmares, Aliança, Floresta e Petrolândia (PE); João Pessoa (PB).

Continua após publicidade

Contrárias ao governo não eleito de Michel Temer, as sem-terra realizaram as ações com o objetivo de "barrar, enfrentar este golpe na Previdência e por nenhum direito a menos", como afirma a integrante da coordenação nacional do movimento, Kelli Mafort.

"Nós do campo estamos na luta, porque nós não aceitaremos que retirem de nós o direito de segurados especiais. Nós não aceitaremos que as mulheres que hoje se aposentam com 55 anos tenham que se aposentar com 65 anos. Por isso, estamos na luta e vamos barrar essa reforma da Previdência", disse a militante.

As mulheres sem-terra realizaram a jornada em parceria com diversos outros movimentos do campo e da cidade, muitos deles parte da Frente da Brasil Popular.

Confira algumas das ocupações das sedes do INSS nesta quarta-feira (8):

Edição: Vivian Fernandes