Conquista

Assentamento Che Guevara em Pernambuco comemora posse da terra

Assentados conquistaram cerca de mil hectares da Usina Bulhões em troca das dívidas do antigo proprietário

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Há 19 anos, 175 famílias lutavam pela terra aguardavam a decisão do Incra
Há 19 anos, 175 famílias lutavam pela terra aguardavam a decisão do Incra - Flávia Torres

Um novo instrumento para a apropriação de terras foi utilizado para favorecer famílias camponesas do assentamento Che Guevara, no município de Moreno, na região metropolitana do Recife.

Continua após publicidade

Após 19 anos aguardando a imissão de posse, assentados conquistaram cerca de mil hectares da Usina Bulhões em troca das dívidas do antigo proprietário.

Continua após publicidade

O processo está baseado na Lei de Adjudicação de Terras e atendeu as reivindicações porque no ano de 2010 o antigo proprietário da Usina Bulhões entrou com um pedido de falência.

Continua após publicidade

Um dos assentados é Severino de Santana, de 68 anos, ele lembra da época em que tudo começou no assentamento.

Continua após publicidade

"Foi em 1998, eu soube que estavam fazendo um trabalho de base para ocupar o engenho aqui. Eu continuei no trabalho de base com os meninos. Quando foi no dia 19 de março de 1998, a gente entrou com 120 famílias aqui. O meu sentimento é morrer aqui", declarou.

A última desapropriação no estado de Pernambuco tinha acontecido no ano de 2014. A proposta deve ser seguida para a posse definitiva em outros três engenhos da Usina Bulhões. A celebração da posse nos engenhos Poços Dantas e Várzea do Una aconteceu no dia 10 de março.

Jaime Amorim é dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Ele fala sobre a posse definitiva nos territórios dos engenhos Poços Dantas e Várzea do Una.

"Apesar de estarmos vivendo em um governo golpista, a luta pela reforma agrária independe de governo. Isso aqui é uma luta dos trabalhadores, não é uma dádiva de governo. Por isso que a gente vai comemorar. Primeiro porque é um instrumento novo de desapropriação, então merece efetivamente ser comemorado e segundo porque faz muito tempo, é verdade, a gente está com muita sede, muita vontade de comemorar uma desapropriação", explicou.

Edição: Brasil de Fato