Eleições

"Serei o presidente de todos, e vocês irão me ajudar", diz Lenín Moreno

"Isso começa agora. Daqui em diante todos vamos trabalhar pelo país, por nosso amado Equador”, disse o presidente eleito

Opera Mundi

,

Ouça a matéria:

Virtualmente eleito, Lenín disse que irá "governar para todos" / Reprodução

O virtual presidente eleito do Equador, Lenín Moreno, agradeceu aos eleitores neste domingo (2) o apoio e pediu ajuda aos equatorianos para governar. A apuração do CNE (Conselho Nacional Eleitoral) do país, com 95% das urnas contadas, mostra uma vantagem de cerca de 2 pontos percentuais para o candidato do atual presidente, Rafael Correa.

"Com o coração na mão, agradeço a todos os que em paz e harmonia foram votar. Serei o presidente de todos e vocês vão me ajudar”, disse. "Vou inaugurar o governo mais limpo da história. Vamos erradicar completamente a corrupção. Conto com vocês, equatorianos!", disse no Twitter. "Isso começa agora. Daqui em diante todos vamos trabalhar pelo país, por nosso amado Equador. Em paz e harmonia!”, afirmou na rede social.

Já em discurso no fim da noite, ele fez um pedido por diálogo. "Vamos seguir construindo o caminho, se fez muito, mas ainda há muito o que fazer, é nossa tarefa. Todos terão uma nova oportunidade, chamaremos ao diálogo e à harmonia, a mão está estendida", afirmou.

Mais cedo, Correa havia anunciado a vitória de Moreno, afirmando que “revolução voltou a triunfar” no país.

“Resultados oficiais CNE: mais de dois pontos de diferença… Lenín presidente! A fraude moral da direita não ficará impune. Grande notícia para a Pátria Grande: a revolução voltou a triunfar no Equador. A direita derrotada, pese seus milhões e sua imprensa”, afirmou o mandatário, pelo Twitter.

As duas pesquisas de boca de urna, divulgadas logo após o fim do pleito, às 17h (19h em Brasília), apontavam resultados distintos: De acordo com o Perfiles de Opinión, Moreno alcançaria 52,2% dos votos válidos, contra 47,8% de Lasso. A margem de erro era de 2,2 pontos percentuais. Já segundo o Cedatos, Lasso obteria 53,02% dos votos, contra 46,98% de Moreno. A margem de erro era também de 2,2 pontos.

No primeiro turno, Moreno obteve 39,36% dos votos, enquanto Lasso ficou em segundo, com 28,09%.

Ex-vice

Lenín, de 63 anos, anunciou em outubro do ano passado, quando aceitou a indicação para candidatura do presidente Correa, que seu companheiro de chapa na cédula eleitoral seria o atual vice, Jorge Glas. O agora presidente eleito defende uma "cirurgia maior" contra a corrupção e promete a criação de 250 mil postos de trabalho ao ano, assim como ações para a construção de 40 escolas técnicas e a erradicação da desnutrição infantil.

Com Moreno, o correísmo pretende continuar a “Revolução Cidadã”, que impulsionou políticas de inclusão social desde a chegada da Aliança País ao poder em 2007, além de implementar uma nova constituição em 2008. Tendo como inspiração a Revolução Liberal do Equador na virada do século 19 para o século 20, a atual constituição equatoriana segue a linha política do bolivarianismo.

Oposição fala em fraude

Lasso disse que os resultados do pleito, que apontam uma vitória do governista Moreno, apontam para uma ‘pretensão de fraude’. “Vamos defender a vontade do povo equatoriano frente a essa pretensão de fraude que tem como objetivo instalar um governo que seria, desde já, um governo ilegítimo”, disse.

“Senhor Correa, não brinque com fogo. Não tente os cidadãos equatorianos. Aqui é gente que não tem medo. Vamos enfrentá-lo e seguir enfrentando”, disse.

Ele também chamou seus correligionários a irem às ruas. “Atuemos de maneira pacífica, mas firme. Há que se ir às ruas e dizer: não roube meu voto, porque queremos uma mudança no Equador”, concluiu.

 

Publicado originalmente no Opera Mundi.

Edição: Opera Mundi