ENFF

Chico Buarque e Maradona estão cotados para inauguração do campo de futebol do MST

Campo Dr. Sócrates Brasileiro, na Escola Nacional Florestan Fernandes, deve receber primeiro jogo em julho

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça a matéria:

Obras do campo na Escola Nacional Florestan Fernandes estão em sua última etapa / Divulgação

O time do cantor Chico Buarque e o ex-jogador de futebol argentino Diego Maradona são algumas das personalidades convidadas para o ato de inauguração do Campo Dr. Sócrates Brasileiro na Escola Nacional Florestan Fernandes, em Guararema, interior de São Paulo. A obra, que está em sua última etapa, deve ser inaugurada em julho. 

“Esperamos para a inauguração, que provavelmente será em julho, contar com a presença do time de futebol do cantor e compositor Chico Buarque, o Politheama e estamos tentando articular a presença do Maradona, que já confirmou presença em conversas com dirigentes do movimento”, afirma David Martins, coordenador da construção do campo. 

O projeto reúne a Associação Amigos da Escola Nacional Florestan Fernandes e um grupo de alunos e professores da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. O objetivo é proporcionar um espaço de qualidade para receber jogos de futebol mas também receber nas arquibancadas o público de reuniões e debates massivos. 

A construção do campo Dr. Sócrates Brasileiro é feita com o trabalho voluntário de 25 pessoas do MST provenientes dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Tocantins, como explica David Martins:

“A brigada do campo é uma prática do MST, onde os espaços coletivos são construídos através do trabalho voluntário. As frentes para a construção do campo são duas: uma responsável pela construção do campo, terra planagem, nivelamento, adubação do solo, plantio da grama e irrigação e a outra frente é a de construção das arquibancadas”, conta.

Financiamento coletivo

A obra só saiu do papel graças a um financiamento coletivo feito através da plataforma “catarse”. Com a colaboração de 602 pessoas, foram arrecadados R$ 67.200. A meta inicial era de R$ 60 mil. 

“A gente sabe que entre projeto e execução sempre existem revisões pra dar conta e o campo hoje fez uso dessa captação maior de recurso, possibilitando que a gente levasse a obra até o fim. Mostra também a solidariedade da sociedade civil e de muitos outros militantes de fora do MST que se solidarizam”. 

O campo levará o nome de Dr. Sócrates Brasileiro em homenagem ao jogador que lutou pela redomocratização do país e um dos precursores da “Democracia Corinthiana”.

Edição: José Eduardo Bernardes