HISTÓRIA

Luta dos trabalhadores é símbolo do 1° de maio

Em dezenas de países do mundo a data é comemorada com festas e protestos

Brasil de Fato | Recife (PE)

,
1º de Maio no Pacaembu / Arquivo Agência Brasil

O último 1° de maio foi marcado por protestos em todo Brasil contra as reformas propostas pelo presidente ilegítimo Michel Temer. Militantes de movimentos populares, sindicalistas e demais setores da população se unem nas ruas para tentar barrar uma avalanche de retrocessos que estão sendo impostos pelo governo citado. Um desses grandes retrocessos é quanto às Leis Trabalhistas. Uma série de direitos conquistados pelos trabalhadores, após centenas de anos de luta, estão ameaçadas no Brasil.

Nesse contexto, é importante trazer à memória o significado do 1° de maio. Uma série de manifestações pela jornada de 8h de trabalho, no Estados Unidos, marcam o surgimento deste feriado. Essa era a reivindicação das greves que aconteceram em 1832 nesse país. Em 1869, os operários criaram a Liga pelas Oito Horas. Nessa época, as condições de vida dos trabalhadores pioravam com a depressão econômica que atingiu tal país.

Diante deste cenário crítico, foi convocada uma greve geral para o 1° de maio de 1886. Milhares de funcionários permaneceram em greve até o dia 3 daquele mesmo mês, quando a polícia interviu com violência. Este dia teve saldo de mortos, feridos e perseguição de líderes do movimento operário.

Cinco desses líderes foram executados e se tornaram símbolo mundial das injustiças do capitalismo contra a classe trabalhadora. Em 1891, a Segunda Internacional dos Trabalhadores, organização fundada em Paris, decidiu em congresso que o 1° de maio seria o Dia Internacional dos Trabalhadores. A partir de então, muitas atividades políticas e culturais são realizadas pelos trabalhadores em diversos países para celebrar essa data.

Ivan Lima, historiador, explica o contexto da data mundialmente: "o contexto é muito mais europeu nessa época, dos países que começavam a se industrializar. Ao mesmo tempo que começava a existir a mais ampla circulação de informações. Então você tem as fábricas e os operários ingleses, norte-americanos que trabalham muito e aos poucos começam ter acesso a algumas ideias. Os trabalhadores percebendo que o capitalismo não seria humanizado, começam a se revoltar".

No Brasil a data chega pouco depois e ganha significados diversos ao longo do tempo. "O 1° de maio começa ter um significado próximo do significado contemporâneo a partir do governo Vargas. Ele usa o dia do trabalhador como forma de desmobilizar classe trabalhista. Apesar de ter feito coisas boas para o trabalhador, ele usava o dia do trabalho como dia de premiação, gerando um pensamento nos trabalhadores de que as conquistas trabalhistas só eram possível por causa do governo", explica Ivan.

O historiador observa que o 1° de maio chegou com um significado de luta a partir dos sindicatos, que traziam as pautas da discussão salarial e outras. "E o governo tenta desmobilizar. Até hoje: vemos o governo tentar fazer uma festa, mas o trabalhador vai para a rua", completa.

Edição: Monyse Ravena