Editorial

Existe outra saída para a crise

A saída para o Brasil são as Diretas já, reforma política e programa de fomento à economia. Nada de cortes de direitos!

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,
Como alternativa para superação da crise, movimentos sociais elaboraram um Plano Popular de Emergência / Reprodução

A delação do empresário da JBS, do ramo frigorífico, reforça o debate sobre a corrupção no Brasil. O episódio também mostra como a corrupção faz parte da estrutura do sistema político. Isso porque o financiamento de campanhas eleitorais é feito em troca de favores dados a empresas do agronegócio, construção civil, serviços de limpeza, entre outras.

Este momento exige apresentação de medidas. Vivemos uma crise política e econômica, que tem como marco o golpe contra Dilma Rousseff, em 2016. Na política, é necessário haver novas eleições diretas em 2017. Na economia, a novidade é o Plano Popular de Emergência da Frente Brasil Popular (composta por partidos e movimentos sociais), lançado nesta semana. 

É uma saída popular para a crise, ao contrário do que faz o presidente golpista Michel Temer, que atende somente aos interesses dos grandes empresários. O programa reúne 76 medidas voltadas ao fomento do emprego e da indústria voltada ao mercado consumidor. 

Outra proposta do Plano é a mudança do artigo 243 da Constituição, para qua haja o confisco de bens também para os sentenciados por corrupção, cujos ativos seriam incorporados pelo Estado. Hoje, essa medida é restrita aos condenados por trabalho escravo.  

Aí sim teríamos o combate à corrupção sem que isso destruísse as principais empresas nacionais, como vem acontecendo com a Petrobrás. A saída para o Brasil são as Diretas já, reforma política e programa de fomento à economia. Nada de cortes de direitos!

 

Edição: Pedro Carrano