Eleita

Gleisi Hoffmann é a primeira mulher a presidir o Partido dos Trabalhadores

Desde sua fundação, em 1980, PT só teve homens no cargo antes da senadora do Paraná

Brasil de Fato| São Paulo (SP)

,
A candidata da corrente majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB) teve 367 votos, 69% do total / Lula Marques/PT

A líder do PT no Senado, Gleisi Hoffmann (PT-PR) foi eleita para a presidência do PT com 69% dos votos dos delegados do 6º Congresso Nacional do PT, que homenageia a ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva”. O senador Lindbergh Farias (RJ) foi votado por 31% dos delegados.

Gleisi – primeira mulher eleita para a posição desde 1980 – presidirá a legenda pelos próximos dois anos. “Mostramos para o Brasil que o PT tem diversidade, que nós temos garra para enfrentar tudo que está aí e propor uma coisa para o Brasil”, afirmou após a vitória.

Confira algumas citações que revelam o posicionamento político da nova presidenta do PT:

Sobre o movimento pelas "diretas já"


Vamos lutar para eleições diretas já, queremos antecipar as eleições de 2018, nós podemos esperar mas o povo não pode, estamos vendo o desmonte de tudo.


Sobre a reforma da previdência defendida pelo governo ilegítimo de Michel Temer.


O governo está manipulando números para tentar justificar uma reforma que vai fazer mal às pessoas e ao Brasil


Sobre o Projeto de Lei 6442/2016 que altera a regulamentação do trabalho rural.


Na realidade estamos voltando ao tempo, estamos legalizando o trabalho análogo ao escravo.


Quando em maio deste ano, sem debate, o relatório da reforma trabalhista foi considerado lido em comissão do Senado


Vocês não vão tirar direitos dos trabalhadores na mão grande, não. O que temos de fazer aqui é ter espírito público e antecipar as eleições de 2018.


Sobre as especulações em torno de um acordo para escolher indiretamente um novo nome para a Presidência que estaria envolvendo até mesmo nomes do PT, a despeito do discurso oficial empreendido pelas lideranças da sigla


Não é possível fazer acordo com quem rasgou o pacto da Constituição Federal de 1988 e cassou uma presidenta legitimamente eleita.


Edição: Juliana Gonçalves