Arraiá

Sindicatos prometem parar Recife com nova Greve Geral nesta sexta-feira

As mobilizações na capital pernambucana contam com ato político e cultural no Derby

Brasil de Fato | Recife (PE)

,
O objetivo da Greve Geral desta sexta-feira é repetir o feito da anterior, causando impacto semelhante. / Brayan Martins/ PMPA

Contra as reformas da previdência e trabalhista, pela saída imediata do presidente Michel Temer do poder e pela revogação de todos os atos do seu governo, o conjunto das centrais sindicais convoca mais uma Greve Geral para esta sexta-feira (30). As mobilizações estão sendo organizadas em todo o Brasil e recebem o apoio das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. No Recife, as paralisações no trabalho serão acompanhadas pelo “Arraiá da Greve Geral”, ato político e cultural com concentração prevista às 15h, na Praça da Democracia (Derby).

Essa não é a primeira vez que os trabalhadores e as trabalhadoras se propõem a parar o Brasil contra as medidas do governo ilegítimo de Temer. Além das várias manifestações de rua e atividades culturais, houve também, em 28 de abril deste ano, a maior greve geral da história do país, que mobilizou 40 milhões de pessoas em todo o Brasil. Nesta ocasião, mais de 40 categorias aderiram à paralisação no estado de Pernambuco. Também foram realizados bloqueios de estradas nas cidades do interior do estado, além de trancamentos em avenidas e nas principais garagens de ônibus da Região Metropolitana, garantindo que nenhum ônibus circulasse na capital pernambucana. Ainda neste dia, cerca de 200 mil pessoas ocuparam as ruas do Recife, sendo um dos maiores atos pelo Fora Temer já registrados no Brasil.

O objetivo da Greve Geral desta sexta-feira é repetir o feito da anterior, causando impacto semelhante. Segundo a coordenadora geral do Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Pernambuco (Sindsep-PE) Maria das Graças de Oliveira, a greve é um instrumento utilizado historicamente pela classe trabalhadora na luta por direitos, além de, no cenário político atual, ser uma forma de enfrentar os retrocessos provocados pelas medidas de Temer. “Nessa greve do dia 30, diante desse absurdo que está acontecendo no Brasil, mais uma vez a gente deve convidar as pessoas a estarem nas ruas. A Greve Geral é pela condição de vida da maioria da população brasileira, que é trabalhadora”, defende.

Somando força às mobilizações, os movimentos populares também participam da construção das atividades de sexta-feira. De acordo com Marcel Estevão, militante do Levante Popular da Juventude, apenas o povo brasileiro organizado pode realizar as transformações que o Brasil realmente precisa. “Somente eleições diretas podem fazer o povo escolher democraticamente os rumos do país. É através da Greve Geral que teremos uma grande unidade para engrossar o coro para pedir Fora Temer e Diretas Já!”, conclui.

Edição: Monyse Ravena