Escravidão

Cais do Valongo, no Rio, é reconhecido como Patrimônio Cultural

Representantes do movimento negro e da cultura celebraram a conquista nesta segunda (10)

|

Ouça o áudio:

Com título, lugar fica no mesmo patamar de importância histórica de outros patrimônios, como o Campo de Concentração de Auschwitz
Com título, lugar fica no mesmo patamar de importância histórica de outros patrimônios, como o Campo de Concentração de Auschwitz - Agência Brasil/Arquivo/Tomaz Silva

O som de batuques e cânticos africanos, o Rio comemorou nesta segunda-feira (10) o reconhecimento do Cais do Valongo, considerado a principal porta de entrada de africanos escravizados no Brasil, como patrimônio cultural da humanidade.

Continua após publicidade

Com uma mistura de alegria e emoção, representantes do movimento negro e da cultura, celebraram a preservação da memória de um passado doloroso, mas que não pode ficar esquecido e muito menos escondido.

Continua após publicidade

O radialista e compositor Rubem Confete lembrou nomes de vários representantes negros que marcaram a história da cidade. Seguno ele, depois de uma luta insana o espaço foi reconhecido.

Continua após publicidade

Celina Rodrigues, diretora do Centro Cultural Pequena África, que participou dos trabalhos do dossiê de candidatura, se emocionou ao falar da conquista. 

Continua após publicidade

Com a batalha do reconhecimento vencida, especialistas se preocupam agora como vai ser feita a preservação do Patrimônio. O antropólogo Milton Guran, coordenador do grupo de trabalho que elaborou o dossiê de candidatura do Cais do Valongo, avalia que é preciso um cuidado intensivo da área.

A superintendente do IPHAN no Rio de Janeiro, Mônica da Costa falou que o trabalho continua e a ideia é que a água faça parte do sítio arqueológico em referência ao Cais.

A comemoração não contou com a presença do prefeito Marcelo Crivella, que participa, em Campinas, de encontro da Frente Nacional de Prefeitos.

Eduardo Nascimento, representante do Conselho Municipal de Cultura, disse que o projeto vai ter uma atuação conjunta integrada para a proteção e guarda do espaço. 

A ideia é que a região passe por uma reestruturação no paisagismo, com identificação dos pontos históricos, um centro de informações, além de contar com parcerias com as áreas de educação e arqueologia.

Ele citou ainda o projeto do Museu da Escravidão e da Liberdade, como centro de referência de todo o acervo da cultura afrodescendente do Rio de Janeiro, e disse que o cuidado imediato deve ser feito pela Guarda Municipal e outros órgãos.

O Brasil recebeu cerca de 4 milhões de africanos escravizados em três séculos de escravidão. Estima-se que cerca de um milhão deles entraram pelo Cais do Valongo.

O título coloca o sítio arqueológico no mesmo patamar de importância histórica de outros patrimônios mundiais, que foram reconhecidos como locais de memória e sofrimento da humanidade.

Edição: Radioagência Nacional