Literatura

Autor curitibano lança Sanga, livro de poesias que "exala humanismo"

Colega e escritor Paulo Venturelli define o livro de Pedro Carrano como uma publicação engajada, sem ser doutrinária

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,
Livro reúne uma seleção de versos produzidos em diferentes períodos da trajetória de Pedro Carrano / Divulgação

Em Curitiba, a literatura não dá trégua – escritores e poetas lançam novas publicações que contrariam a fama de “careta” da cidade. Na próxima terça-feira (1º/08), o jornalista Pedro Carrano adere ao movimento com o terceiro livro da carreira, o “Sanga”, que reúne uma seleção de versos produzidos em diferentes períodos de sua trajetória como escritor.

Publicado pela editora Kotter, as páginas de Sanga trazem, inclusive, poemas anotados entre os anos de 2005 e 2008, período em que Carrano viveu no México e conheceu a América Central. “São poemas despojados que trazem esse contato com as estradas, com o movimento, com a luta social, com o outro, comigo mesmo”, define o autor. “Gosto de inventar no tema e na forma e acho que a arte é o espaço para isso”.

A temática social está presente entre os versos de Carrano, que também expressam uma série de experimentos diversificados dentro do universo da linguagem, sempre em busca da precisão. Sua poesia carrega a leitura de Emily Dickson, poeta estadunidense; autores clássicos da esquerda, como Bretch e Maiakovski; e brasileiros como Manuel Bandeira e Oswald de Andrade. “A poesia é justamente esse tempo fora do tempo do mercado, a tentativa de comunicar com outra profundidade em meio ao imediatismo social. Aí está o valor da produção poética”, diz Carrano.

Na abertura do livro, o autor cita Clarice Lispector: nessa era do espetáculo, da autopromoção e do ego, a poesia procura no inexpressível um outro caminho, para que voltemos a valorizar o ser humano.

Para ficar por dentro

Lançamento do livro “Sanga”, de Pedro Carrano

Data: Terça-feira, 1º de agosto

Horário: A partir das 19h

Local: Ornitorrinco – rua Benjamin Constant, 400

Entrada franca

Edição: Ednubia Ghisi