Cortes na Ciência

Bolsas para iniciação científica na UFRJ podem ser cortadas em setembro

CNPq tem orçamento até o mês de agosto e depende de envio de verba do governo federal para manter as bolsas

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Prédio da reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro / Omar Uran

O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) está sofrendo com as mudanças orçamentárias promovidas pelo governo golpista de Michel Temer (PMDB).

A pró-reitora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Leila Rodrigues, juntamente com o Comitê do PIBIC, denunciou os cortes das bolsas de estudo da universidade em nota de repúdio publicada nesta semana.  

"O programa de bolsas de iniciação científica estimula a formação de pesquisadores que contribuem diretamente com o desenvolvimento do país e só é possível graças à concessão do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)", afirmou Rodrigues.

Órgão público criado com o objetivo de incentivar a pesquisa no país, o CNPq é o responsável por 50% das bolsas da UFRJ e sem o orçamento adequado, não tem condições de manter o incentivo. 

A situação orçamentária foi divulgada esta semana em nota pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, após reunião onde o ministro Gilberto Kassab discutiu sobre gastos no setor com o presidente do CNPQ, Mário Borges. O valor repassado pelo governo federal só garante a cobertura dos gastos no setor até o mês de agosto e se não houver ampliação, os cortes serão efetuados, sendo os bolsistas os principais afetados. 

Segundo a nota de repúdio da pró-reitora com o Comitê do PIBIC, as mudanças no orçamento da pasta fazem parte de um desmonte da Ciência e das universidades públicas do Brasil. 

Edição: Simone Freire