SAÚDE PÚBLICA

Calamidade na saúde pública no Rio se agrava e atinge servidores e usuários 

Hospitais e unidades de atendimento municipais, estaduais e federais têm serviços reduzidos

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,
Carência de materiais e equipamentos básicos está sendo registrada em todas as unidades / Elói Corrêa

A crise na saúde pública do Rio de Janeiro está se agravando. Nas últimas semanas, o prefeito Marcelo Crivella (PRB) confirmou o corte de repasses para a saúde municipal, mas não deu detalhes de como será feito. De acordo com profissionais e servidores, o corte vai atingir principalmente as equipes das Clínicas da Família e de Saúde Bucal. Também há carência de materiais e equipamentos básicos em todas as unidades.  

Nos hospitais e unidades de atendimento estaduais e federais, a situação não é muito diferente. Segundo relatos de médicos e usuários, há redução de leitos, encerramento de serviços especializados, falta de medicamentos, equipamentos e materiais, além de atrasos nos pagamentos dos salários, no caso das equipes estaduais. 

Para Renato Santos, da Rede de Médicas e Médicos Populares, o Rio apresenta um somatório de crises na área da saúde. “As três esferas, municipal, estadual e federal estão passando por um cenário de calamidade na saúde, o que torna a situação da cidade bem complicada. Estamos vendo o desmantelamento do SUS, crise dos serviços da rede estadual e agora o orçamento limitado no município. O que está se desenhando são mais cortes, demissões e encerramento de serviços”, explica. 

Procurada pelo Brasil de Fato, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) disse que ainda não há definições sobre os cortes de verbas na saúde e não se posicionou quanto à diminuição do número de equipes e serviços municipais.  

Segundo Paulo Pinheiro (Psol), membro da Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores, a Secretaria da Fazenda reteve cerca de R$ 500 milhões da área da saúde sem maiores explicações.  “E parece que o prefeito não possui a menor intenção de liberar essa verba”, disse em sua página no Facebook. O vereador está trabalhando para criar uma Frente Parlamentar contra os cortes de Crivella na Saúde. 

“O prefeito não esclarece nada, mas nós queremos definições. Já anunciaram que em setembro terão dificuldade de pagar os salários dos servidores. Queremos a manutenção das equipes e dos serviços para a população”, explica a nutricionista Cintia Teixeira, que faz parte da Frente em Defesa dos Institutos e Hospitais Federais do Rio.  

Nas últimas semanas, grandes mobilizações estão sendo feitas por usuários e servidores. Os atos aconteceram, principalmente, depois que Crivella anunciou o fechamento de 11 Clínicas da Família na zona oeste e a demissão da equipe da UPA Manguinhos, na zona norte, no início do mês. Diante da rápida mobilização, a prefeitura voltou atrás e manteve as clínicas, ainda não há uma definição sobre o que acontecerá com a UPA. 

O movimento segue reivindicando que a prefeitura não demita equipes e que mantenha a oferta de todos os serviços. Também se posiciona contra os atrasos de salários e pelo repasse integral das verbas destinadas à saúde.  

Nesta semana, uma agenda de atividades foi organizada em parceria com usuários e trabalhadores das redes estadual e federal. A programação contou com mobilizações nas Clínicas da Família e unidades de saúde em toda cidade, um abraço simbólico ao Hospital Federal de Bonsucesso e um grande ato em defesa do SUS, na Cinelândia.  

 

Edição: Vivian Virissimo