Caravana

Lula visita universidades federais do Recôncavo Baiano

Instituições foram criadas durante a gestão do ex-presidente e promoveram inclusão de jovens da região

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça a matéria:

Unilab tem mais de 20% de seus alunos advindos de países africanos de língua portuguesa / Ricardo Stuckert

Entre os anos de 2002 e 2015, o número de vagas de ensino superior ofertadas na região Nordeste aumentou em mais de 1,6 milhão, segundo dados do Censo Escolar divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). 

O salto, que aconteceu durante as gestões petistas de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff à frente da presidência do Brasil, é sustentado pela criação de seis universidades na região nos últimos 13 anos, entre elas a Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) e a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab).

As duas, inauguradas respectivamente em 2005 e 2010, estão na rota do ex-presidente Lula, que iniciou nesta semana uma caravana pelo Nordeste brasileiro

Durante sua visita à UFRB, que em seu processo de construção contou com intensa mobilização popular dos moradores do Recôncavo, o petista seria condecorado com o título de Doutor Honoris Causa, honraria oferecida à personalidades de destaque em áreas como política e artes, mas o ex-presidente foi impedido de receber a honraria por decisão do juiz Evandro Reimão dos Reis, da 10ª Vara Federal em Salvador, por ação popular do vereador Alexandre Aleluia (DEM).

O magistrado acatou o pedido apresentado pelo líder do DEM na Câmara Municipal da capital e considerou que a caravana de Lula, intitulada "Lula pelo Brasil" poderia influenciar "manifestações ruidosas do réu".

Já na Unilab, instituição que preza pela internacionalização do ensino, Lula foi patrono na colação de grau de estudantes da Universidade. O cubano Pedro Acosta Leyva, coordenador do bacharelado em humanidades da Unilab, no Campus dos Malês, destaca a importância de Lula para os alunos da Universidade.

"Ele significa muito para nós, especialmente para a turma de estudantes que o convidou, porque Lula é um dos presidentes que incentivou um tipo de política de educação superior brasileira de interiorização, universidades em lugares remotos do interior do Brasil, onde a população não acessava a universidade, um ensino de qualidade", disse.

A Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira ocupa lugar importante para os moradores do interior da Bahia, principalmente dos municípios de São Francisco do Conde, Candeias e Santo Amaro, que preenchem 70% das vagas da Universidade. Os outros 20% são ocupados por alunos de países africanos de língua oficial portuguesa, especialmente de Guiné Bissau, Cabo Verde, Angola e Moçambique.

Pedro Acosta lembra que as tentativas de cortes no Processo Seletivo de Estudantes Estrangeiros, que foram revogadas após mobilizações estudantis contra o reitor Anastácio de Queiroz Sousa, colocam em risco o projeto de cooperação internacional que é uma identidade da Unilab.

"O processo de cortes aqui na Unilab afeta muito o projeto. Em outras universidades do Brasil, esse corte reduz a capacidade de funcionamento. No caso da Unilab, qualquer pequeno corte reduz o próprio projeto da UNILAB, porque se estamos tratando de uma universidade de integração internacional, se tem corte, ela não tem como acompanhar o fluxo de alunos internacionais", explicou.

A caravana Lula pelo Brasil se estende até 5 de setembro, quando ex-presidente volta para São Paulo. Lula passará por nove estados do nordeste, onde realizará conversas com prefeitos e governadores da região.

Edição: Simone Freire