Solidariedade

Diversas cidades brasileiras realizam atos pela paz na Venezuela

Em Belo Horizonte, ocorre nesta quarta (23) uma das ações; pelo menos outros dez locais realizaram protestos

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Em frente à Embaixada dos EUA em Brasília, muro foi pichado em repúdio às declarações de Trump contra a Venezuela / Reprodução

Por uma solução pacífica aos conflitos que hoje tomam a Venezuela, movimentos populares e organizações sociais brasileiras realizam atos em apoio ao país vizinho em diversas cidades do Brasil. No último 22 de agosto, as entidades convocaram uma jornada de ações em um dia de solidariedade à Venezuela.

A capital mineira, Belo Horizonte, recebe mais um dos atos nesta quarta-feira (23), às 19h, com a palestra "O que está em jogo na Venezuela?", com o professor Igor Fuser, do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC. A atividade é organizada pela Frente Brasil Popular em Minas Gerais e acontece no Sindicato de Jornalistas do estado (Av. Álvares Cabral, 400).

Segundo os organizadores, "a campanha se faz necessária diante da ofensiva imperialista sobre a Venezuela e a tentativa de desestabilização política do país, após o processo de instalação da Assembleia Constituinte, legitimada por mais de 8 milhões de eleitores".

Protestos

A Embaixada dos Estados Unidos em Brasília (DF) teve seus muros pichados com mensagens de protesto e denúncia contra o presidente estadunidense, Donald Trump, na terça-feira (22). Em nota que circulou pelas redes, os manifestantes criticaram a política de Estado dos EUA frente à região:

"O governo de Washington já tem um vasto histórico de interferências na política e economia do país sul-americano. Após a chegada de Chávez à Presidência este cenário se intensificou, principalmente por conta da defesa da soberania venezuelana e de seu povo. Hoje, com Maduro, as investidas estadunidenses se somaram a burguesia do país na tentativa de utilizar a crise mundial para desestabilizar o projeto da revolução bolivariana."

Na terça-feira (22), debates, aulas públicas e atos também ocorreram em Belém (PA), em Cuiabá (MT) e em Salvador (BA). Em Recife (PE), um protesto de rua ocorreu em frente ao Consulado dos Estados Unidos. Já na Escola Nacional Florestan Fernandes - um centro de formação internacionalista do MST -, em Guararema (SP), estudantes de 83 organizações de 42 países enviaram mensagens de solidariedade à Venezuela. 

Ato realizado em Recife, em frente ao Consulado dos EUA

Na capital paulista, o Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela participou da Jornada Continental pela Democracia e Contra o Neoliberalismo. Além disso, foi apresentada uma carta direcionada ao governo dos Estados Unidos e aos congressistas e organizações do povo estadunidense sobre a ingerência do país nos assuntos internos da Venezuela (leia abaixo).

O Rio de Janeiro (RJ) também recebeu um ato público, que contou com a participação do Cônsul da Venezuela na cidade, Edgar Alberto Marín, o deputado federal Wadih Damous e Carmen Diniz, representante Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela. A atividade ocorreu na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na segunda-feira (21).

No mesmo dia do ato carioca, entidades de Campinas (SP) organizaram um debate sobre o país latino-americano, que teve entre os participantes o jornalista e editor-chefe do Opera Mundi, Breno Altman, e a representante do Cebrapaz Socorro Gomes.

Em Santos, no litoral paulista, as organizações realizarão um ato de solidariedade à Venezuela na sexta-feira (25), com a participação do professor de Relações Internacionais e membro do MST Marcelo Buzzeto. A palestra será no Centro José Martí, que fica na Rua Joaquim Távora, 217.

Debate na UFRJ, na capital fluminense

—-

CARTA PÚBLICA

Para: Governo dos Estados Unidos de América

c/c: Congressistas e organizações do povo estadunidense

 

Assunto: Sobre vossa ingerência nos assuntos internos da VENEZUELA

 

    Nós, que firmamos essa declaração – representantes de movimentos populares, organizações politicas, intelectuais e artistas – nos dirigimos a vossas excelências para  alertá-los, que consideramos as posições do atual governo dos Estados Unidos, um desrespeito à autonomia dos povos, às normas das Nações Unidas e do direito internacional. Portanto:

Exigimos pleno respeito ao direito internacional e apoiamos incondicionalmente o direito da Venezuela à autodeterminação e à soberania;

Rejeitamos qualquer forma de interferência nos assuntos internos da Venezuela, especialmente desde os Estados Unidos. O direito internacional deve ser respeitado. Em particular o uso de sanções para obrigar um governo a agir de certo modo viola os Artigos 19 e 20 da Carta da OEA;

 

Consideramos absurdas as tentativas de penalizar diretamente as pessoas que estão em mandatos legais da Venezuela, em especial o presidente Nicolas Maduro;

Condenamos qualquer tentativa ilegal, violenta e inconstitucional de derrubar o governo democraticamente eleito de Nicolas Maduro;

Apoiamos todas as tentativas de mediação entre governo e oposição na Venezuela para encontrar a paz a través do diálogo como as tentativas da Unasul, o Vaticano, os ex-presidentes Zapatero, Fernández e Torrijos, o grupo de cinco países amigos (Uruguai, República Dominicana, Nicarágua, El Salvador, São Vicente e Granadinas) e o CARICOM;

Reafirmamos que qualquer diferença o desacordo que possa existir entre a Venezuela e os Estados Unidos deve ser resolvido com dialogo construtivo e diplomacia;

 

Esperamos que o povo dos Estados Unidos nos ajude  a conter a  prepotência de seu governo, temporário.  E que zele pelos princípios de solidariedade, autonomia  e de equidade dos direitos internacionais, entre todos os povos.

 

    Atenciosamente,

    Assinam: 

Agencia Pueblos en Pie

Articulación de los Movimientos Populares hacia el ALBA – Brasil

British Columbia Government and Service Employee’s Union

Central de Movimentos Populares do Brasil – CMP-BR

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB

Central Única dos Trabalhadores – CUT

Centro Brasileiro de Solidariedade Aos Povos e Luta Pela Paz – Cebrapaz

Circulo Bolivariano Yamileth Lopez – Costa Rica

Circulo Granma de Italia Cuba

Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação – CNTE

Conselho Mundial da Paz

Conselho Mundial da Paz

Consulta Popular

Federação Única dos Petroleiros – FUP

Femmes de Diverses Origines – FDO

Frente Brasil Popular

Fundação Perseu Abramo

Grupo America Latina, Filosofia Focial y Axiología – GALFISA

Intersindical

Juventude Comunista Avançando – JCA

La Pluma.net

Levante Popular da Juventude

Marcha Mundia de Mulheres – MMM

Movimento Avançando Sindical – MAS

Movimento de Mulheres Camponesas – MMC Brasil

Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB

Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST 

Partido Comunista do Brasil – PCdoB

Partido dos Trabalhadores – PT

Pastoral da Juventude Rural – PJR

Periodico El Macarenazoo

Polo Comunista Luiz Carlos Prestes – PCLCP

Red No War

Rede de Médicos e Médicas Populares

Resumen Latinoamericano

Table de Concertation de Solidarité Québec-Cuba

União de Negros pela Igualdade – Unegro

 

Edição: Vivian Neves Fernandes