Novela

Bafafá: Bibi, a perigosa!

Colunista do Brasil de Fato MG comenta sobre uma das personagens mais polêmicas do horário nobre

Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG)

,

Ouça a matéria:

Capítulo após capítulo, a vida de Bibi se transformou totalmente / Divulgação

Uma das personagens mais polêmicas da novela “A Força do Querer” é, com certeza, a Bibi, interpretada pela atriz Juliana Paes. No início da trama, ela foi apresentada como uma boa moça, apaixonada e dedicada ao marido Rubinho (Emílio Dantas). Como ele estava desempregado, o casal estava sempre passando por duras dificuldades econômicas, com um filho ainda criança e a constante reclamação da mãe de Bibi que não se dava bem com o genro. Mas nada disso abalava o amor entre os dois (o dela, principalmente).

No entanto, capítulo após capítulo, a vida de Bibi se transformou totalmente. Rubinho começa a se envolver com o tráfico de drogas, chegando a se tornar um chefe do crime. A abnegada esposa se enfia em diversas encrencas para salvar a pele do marido, envolvendo-se intensamente com seus “negócios”. De boa moça, ela se torna a “Bibi Perigosa”, deslumbrada pela ostentação do poder paralelo.

Para quem não sabe, a inspiração da autora Glória Perez para essa personagem veio da história real de Fabiana Escobar, a Bibi Perigosa, que foi casada por 14 anos (até 2010), com o traficante Saulo de Sá Silva, mais conhecido como Barão do Pó, da favela da Rocinha, no Rio. Com o marido preso, ela mesma comandou os negócios ilícitos, sem nunca ter sido pega. Essa história foi publicada no blog pessoal de Fabiana e no livro “Perigosa”, lançado em 2013.

Umas das polêmicas que surge em torno desse relato é a seguinte: é ou não apologia ao crime retratá-la como está sendo feito? Difícil uma resposta! No entanto, merece uma reflexão a glamorização e a romantização dessa nada fácil história. E você, o que acha disso?

Aguardemos os próximos capítulos para vermos qual será o futuro de Bibi, a perigosa!

*Felipe Marcelino é coordenador da distribuição do Brasil de Fato MG.

 

Edição: Joana Tavares