Lei da mordaça

PR: Movimento Educação Democrática é lançado para se contrapor à ‘Escola sem Partido’

Ação conta com apoio institucional da UFPR e de entidades sindicais

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,
Em uma faixa, o coletivo se declara contra a lei da mordaça e a favor de uma escola pública e democrática / APP Curitiba Norte

O Movimento Educação Democrática no Paraná está oficialmente na ativa. Nesta segunda (25), um debate sobre o programa Escola sem Partido, na reitoria da Universidade Federal do Paraná, marcou o lançamento das atividades do coletivo. O evento contou com palestra do professor Fernando Penna, da Universidade Federal Fluminense, e a participação de personalidades políticas, estudantes e professores da rede pública do estado.

Durante o lançamento, os presentes reafirmaram um compromisso com a educação livre, plural e crítica. Em uma faixa, o coletivo se declara contra a lei da mordaça e a favor de uma escola pública e democrática. “A educação é um direito de todos e deve seguir os princípios da democracia”, afirmou Fernando Penna. Além dele, os professores da rede estadual Gabriela Viola e Douglas Rezende também contribuíram no debate.

Gabriela Viola já sofreu na pele a censura imposta pelos defensores do Escola sem Partido ao ser afastada, por uma semana, de uma instituição de ensino em Curitiba “Fiquei fora de sala de aula justamente por causa da mordaça que tentaram colocar em mim”, denunciou.

Rede nacional

Segundo uma das organizadoras e participantes do movimento, Monica Ribeiro da Silva, Doutora em Educação pela PUC-SP e professora da UFPR, esse coletivo faz parte de uma rede que vem se formando em todo o país. "Nosso objetivo é organizar um contraponto ao projeto Escola sem Partido", define. "Passamos a compor um grupo nacional, com entidades locais".

O movimento é contra a censura, a punição e a criminalização de professores por seu exercício profissional. "Professor não é criminoso. Há na Constituição Federal uma série de preceitos que garantem a liberdade de ensino. A escola deve seguir a nossa legislação e os princípios de democracia que ela garante".

Ela ressalta que toda a comunidade é convidada a participar dos debates e ações. "Podem e devem participar do movimento todos aqueles que entendem que a gestão democrática e a democracia devem ser os princípios que regem a organização escolar no país". Quem tiver interesse pode, individualmente, associar-se ao movimento, bem como entidades em geral. No Paraná, o Educação Democrática é apoiada pela UFPR e pelas entidades sindicais APUFPR-SSind, Sinditest, núcleo da APP-Curitiba Norte e Sismmac.

Próximas ações

O grupo formado em torno do movimento pretende acompanhar as manifestações em favor do Escola sem Partido no Paraná, para garantir intervenções que defendam a democracia. "Vamos acompanhar a tramitação do projeto na câmara, organizar eventos para debater questões correlatas, tudo contra a censura às escolas brasileiras”, diz Monica Ribeiro.

Edição: Ednubia Ghisi