Movimentos

Por soberania e contra privatizações de Temer, MAB realiza encontro no Rio

Organizadores esperam reunir cerca de 3.500 pessoas de 19 estados brasileiros e outros 27 países

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça a matéria:

Movimento dos Atingidos por Barragens promove ato em São Paulo / Divulgação

Com o lema "Água e energia com soberania, distribuição da riqueza e controle popular", o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) realiza entre os dias 1º e 5 de outubro seu 8º Encontro Nacional. O local escolhido é a cidade do Rio de Janeiro, sede de duas das principais empresas de energia do país: a Eletrobras e a Petrobras.

Os organizadores esperam reunir cerca de 3.500 pessoas de todas as regiões do país e também de 27 nações das Américas, da África e da Europa. A cerimônia de abertura está marcada para acontecer no Terreirão do Samba, a partir das 18h. 

Alexania Rosseto, coordenadora nacional do MAB, ressalta que o evento será importante para integrar pessoas atingidas por barragens em todo o mundo:

"A gente vai ter representações também da Europa, dos Estados Unidos e do Canadá, que são parceiros políticos do MAB. As representações de países da América Latina e da África são representações de movimentos de atingidos por barragens, que enfrentam problemas muito parecidos com os nossos, como a mesma forma de atuação das empresas e a mesma forma de tratamento aos atingidos", diz.

O encontro acontece quatro anos após o último evento, em 2013, na cidade de Cotia, no interior de São Paulo. Segundo o MAB, nesse período o movimento expandiu sua área de atuação de 17 para 19 estados do Brasil e teve que se adaptar a novos desafios.

O MAB diz que o momento é importante para a defesa de temas caros ao movimento, como a defesa da soberania nacional e a resistência ao corte nos direitos da população promovidos pelo governo golpista de Michel Temer, do PMDB. Rosseto diz também que resistir às privatizações da Petrobras e Eletrobras é essencial:

"Na nossa visão, isso é um crime, é um crime de lesa pátria, é um crime que violenta a soberania nacional e nós, sendo atingidos por barragens, somos contra isso. A gente defende que o patrimônio público seja do povo brasileiro e que a nação seja soberana para decidir sobre o seu futuro".

O MAB e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo organizam um grande ato para denunciar os ataques à soberania nacional. As mobilizações serão na próxima terça (3), data de fundação da Petrobras, à partir das 11h. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um dos convidados do Encontro Nacional e deve participar do ato.

Edição: Camila Rodrigues da Silva