SOBERANIA NACIONAL

Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional é lançada no Rio de Janeiro

O evento reuniu cerca de 600 pessoas, entre representantes da sociedade civil e parlamentares.

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,

Ouça a matéria:

Senador Roberto Requião, presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Soberaniza Ncional / Foto: Fernando Alvim

O auditório do Clube de Engenharia do Rio de Janeiro recebeu na última segunda-feira o lançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional. O evento reuniu cerca de 600 pessoas, entre representantes da sociedade civil e parlamentares. 

A Frente é composta por deputados federais e senadores de diversos partidos. Entre eles, o senador Roberto Requião, do PMDB do Paraná, um dos que lideram a iniciativa. Em entrevista à Radioagência Brasil de Fato, Requião destacou que o principal objetivo da Frente é valorizar um projeto de país que não seja refém do capital financeiro. 

“Com essa Frente Parlamentar nós não estamos começando nada, nós estamos num capítulo parlamentar pela luta em defesa da soberania nacional há muito tempo. Precisamos socializar esta ideia. O capital financeiro está dominando tudo. O que adianta um fora temer, se não mudamos a política econômica? Precisamos ter consciência que o Consenso de Washington e as ideias de fim do projeto nacional de Fernando Henrique Cardoso estão prevalecendo," afirmou o senador.

Durante o lançamento da Frente, o deputado Glauber Braga, do PSOL do Rio de Janeiro, defendeu a desobediência civil como estratégia de luta contra o governo. Segundo ele, parlamentares da oposição e sociedade civil organizada precisam realizar ações de resistência ao que está sendo imposto. Já o senador Lindberg Farias, do PT do Rio, defendeu o patrimônio da Petrobras e Eletrobras e afirmou que todas as medidas aplicadas por Michel Temer devem passar por um referendo convocatório no próximo governo. 

O deputado federal Wadih Damous, do PT fluminense, lembrou que a eficácia da Frente depende também da mobilização popular.  

 “Nada é mais importante do que a mobilização popular. O que nós estamos sentindo falta nesta conjuntura é da presença do povo para barrar o desmonte do Estado e a entrega da nossa soberania e riqueza para o interesse estrangeiro,” destacou Damous. 

Damous ressaltou que os atos em defesa do patrimônio nacional que ocorreram na sede da Eletrobras e Petrobras, no centro do Rio de Janeiro, nesta terça-feira (3), como importantes exemplos da luta contra o desmonte. 

Edição: Raquel Júnia